MS irá receber R$ 1,6 milhão para a realização de cirurgias eletivas

Recursos serão destinados aos municípios que cumpriram a meta de produção

O Ministério da Saúde anunciou, nesta segunda-feira (26), que Mato Grosso do Sul irá receber R$ 1,6 milhão para a realização de cirurgias eletivas. Os recursos serão destinados aos municípios Costa Rica, Chapadão do Sul, Aparecida do Taboado e Coxim por terem cumprido a meta de realização de procedimentos cirúrgicos no ano passado.

Conforme o Ministério, em 2017, foram feitas 2.384 cirurgias eletivas em cinco municípios, aqueles que comprovaram o cumprimento da meta de produção estabelecida. Do valor repassado, será destinado R$ 30.427 para Costa Rica, R$ 28.241 para Chapadão do Sul, R$ 30,013 para Aparecia do Taboado e R$ 77,656 para Coxim, além de R$ 1, 4 milhão para o Estado, o que totaliza mais de R$ 1,6 milhão.

Os estados que atingiram a meta exigida pela portaria para que as cidades pudessem realizar os mutirões cirurgias eletivas, terão a oportunidade de receber o dobro dos recursos pagos no último semestre, possibilitando a realização de mais procedimentos.

“Municípios que já conseguiram organizar a fila única têm a oportunidade de reduzir ainda mais a fila de espera dos pacientes que aguardam por alguma cirurgia. A medida visa reforçar as estratégias de ampliação aos procedimentos eletivos, garantindo o melhor encaminhamento e tratamento dos pacientes. Essa iniciativa vai ajudar a diminuir a demanda e a reorganizar a lista de espera”, reforçou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Cirurgias de eletivas de média e alta complexidade, sem caráter de urgência, estão contempladas, cirurgias como pele, tecido subcutâneo, oftalmológicas; cirurgias das glândulas endócrinas; cirurgias do sistema nervoso central e periférico; cirurgias das vias aéreas superiores, da face, cabeça e pescoço; cirurgias e oncológicas; cirurgias do aparelho circulatório e digestivo e cirurgias do aparelho osteomuscular.MS irá receber R$ 1,6 milhão para a realização de cirurgias eletivas

Esses procedimentos estão inclusos na rotina dos atendimentos oferecidos à população nos hospitais de todo o país, de forma integral e gratuita, por meio do SUS (Sistema Único de Saúde).

Fila única

Em 2017, o Ministério da Saúde, em uma ação conjunta com estados e municípios, adotou o modelo de fila única para cirurgias eletivas em todo país. Foi feito um levantamento inédito de toda a demanda do SUS por estado para organizar a rede de saúde, acelerar o atendimento do cidadão e reduzir o tempo de espera. Para isso, além do valor repassado mensalmente, foram garantidos R$ 250 milhões extras. Parte desse valor já foi liberado para realização de mutirões, o equivalente a R$ 41,6 milhões.

Para receberem os recursos, estados e municípios deveriam, obrigatoriamente, estar com a fila única atualizada e cadastrada junto ao governo federal, o que garante mais transparência e agilidade no atendimento aos pacientes, que muitas vezes ficam sujeitos à lista de espera de um único hospital e deixam de concorrer a vagas disponíveis em outras unidades de saúde da região.

Demanda

Em julho deste ano, quando foi fechada a primeira lista para cirurgias eletivas no SUS, haviam 804.961 solicitações. Com base nesses dados, o governo federal realizou uma análise detalhada das informações recebidas e constatou algumas inconsistências, como a existência de duplicidade dos cadastros. Após a avaliação, feita pela Ouvidoria do SUS por contato telefônico, chegou-se à conclusão de que havia 667.014 pacientes aguardando por algum procedimento eletivo no país.

As três cirurgias mais demandadas são as do aparelho digestivo, órgãos anexos e parede abdominal (185.666), aparelho da visão (137.776) e aparelho geniturinário (121.205). Além dessas, também estão na lista pequenas cirurgias, cirurgias de pele, tecido subcutâneo e mucosa, das glândulas endócrinas, do sistema nervoso central e periférico, das vias aéreas superiores, da face, cabeça e pescoço, cirurgias oftalmológicas e oncológicas, do aparelho circulatório e do aparelho osteomuscular.

Os recursos extras poderão ser utilizados para ampliar o acesso da população aos procedimentos, reduzindo fila de espera para cirurgias eletivas nos municípios, mas os gestores locais podem utilizar também os recursos regulares de média e alta complexidade, repassados pela pasta mensalmente para todo o Brasil. Em 2017, a pasta repassou aos estados e municípios o montante de R$ 49,3 bilhões para custeio de ações, serviços e procedimentos, incluindo cirurgias eletivas.

MS irá receber R$ 1,6 milhão para a realização de cirurgias eletivas
Mais notícias