Notícias de Mato Grosso do Sul e Campo Grande

As plantas da sua casa que podem ser tóxicas para os animais de estimação

Pesquisa foi realizada em clínicas veterinárias de São Paulo

Donos de cães e gatos de estimação devem ter cuidado com as plantas decorativas ou ornamentais que têm dentro de casa ou no jardim. Muitas delas são tóxicas e podem causar graves danos aos bichos, até mesmo a morte.

Para alertar sobre esses riscos, quatro grupos de alunos da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (USP), liderados pela professora Silvana Lima Gorniak, realizaram uma pesquisa em clínicas veterinárias de São Paulo, para verificar quais que mais causam intoxicações em animais de estimação.

O resultado foi a elaboração de uma lista com 16 plantas tóxicas e um pôster com as quatro mais comuns e que mais causam problemas, que está sendo afixado em clínicas veterinárias paulistas e até de outros Estados, como alerta aos proprietários.

No rol estão antúrio, avenca, azaleia, bico-de-papagaio, comigo-niguém-pode, copo-de-leite, coroa de cristo, espada-de-são-jorge, espirradeira, fumo bravo, lírio, lírio-da-paz, maconha, mamona, tomate verde e violeta.

Perigo

O levantamento constatou que, das quatro que mais causam intoxicação, a campeã absoluta de ingestão por cães e gatos é a comigo-ninguém-pode (Dieffenbachia sp), muito comum em casas e apartamentos. Ela é muito apreciada pelas pessoas por causa da beleza de sua folhagem, da facilidade de cultivo e da crença popular de que traz proteção ao lar.

O oxalato de cálcio e outras substâncias presentes na planta irritam as mucosas dos animais. O envenenamento pode ocorrer por ingestão de qualquer parte da planta, contato com os olhos ou a pele. Os sintomas variam desde edema (inchaço), irritação da mucosa até mesmo asfixia e morte, sempre com dor intensa.

Considerada um dos símbolos da cidade de São Paulo, a azaleia (Azalea sp) também é responsável por um grande número de casos de intoxicação de animais domésticos. Seu princípio ativo é a andromedotixina, uma substância cuja ingestão pode causar distúrbio digestivos até seis horas após o animal ter comido a planta.

 

Bicos-de-papagaio, plantas que costumam adornar as casas no Natal, são perigosas para cães e gatos (Foto: GETTY IMAGES)

 

Além disso, ele causa alterações no débito cardíaco (volume de sangue que é bombeado pelo coração em um minuto).

A espada-de-são-jorge (Sansevieria trifasciata), também muito cultivada devido à crença de que traz prosperidade, “contém glicosídeos pregnânicos e saponinas esteroidais”, segundo Silvana.

“Essas substâncias causam dificuldade de movimentação e de respiração, devido à irritação da mucosa e salivação intensa.”

A especialista alerta ainda que todas as partes do lírio-da-paz (Spathiphyllum wallisii) são tóxicas para os bichos. Os sintomas de envenenamento incluem irritação na boca e nos olhos, coceira, dificuldade de engolir e, nos casos mais graves, até de respiração. Além disso, podem ocorrer alterações neurológicas e das funções renais.

Embora sejam as que causam a maioria dos casos de intoxicação, essas quatro plantas não são as mais venenosas.

Entre as mais tóxicas está a espirradeira (Nerium oleander). Apesar de acontecer muito raramente, sua ingestão por cães e gatos causa arritmia, vômito, diarreia, ataxia (perda da coordenação muscular), dispneia (respiração rápida e curta), paralisia, coma e até a morte.

“Esses sintomas podem ser observados entre 1 e 24 horas após sua ingestão”, informa Silvana.

Maconha

A surpresa do levantamento ficou por conta da maconha (Cannabis sativa). Embora tenha seu cultivo proibido no Brasil, há muitos casos de intoxicação de animais por essa planta.

Os pesquisadores acreditam que a maioria deles ocorre pela inalação da fumaça do cigarro de maconha consumido perto dos animais. Ou então pela ingestão das folhas ou alimentos que contenham o tetraidrocanabinol (THC), o princípio ativo da erva.

A intoxicação por Cannabis pode causar depressão, perda do controle muscular durante movimentos voluntários, desorientação, tremores, convulsões, desordens comportamentais, aumento de sensibilidade de maneira geral e da sensibilidade a dor (hiperestesia).

“Também pode ocorrer midríase (dilatação da pupila), que, em algum casos, resulta em fotofobia. Normalmente esses sintomas se desenvolvem de uma a três horas após a ingestão”, alerta Silvana.

“O ideal é tirar estas plantas do alcance dos animais e prestar atenção ao passear com eles em ambientes externos, pois elas estão por toda parte.”

O consumo de plantas para uso medicinal no caso dos animais também é indicado apenas com orientação de um médico veterinário.

Caso o animal apresente qualquer sintoma que o proprietário suspeite ser causado por ingestão de uma planta, ele deve ser encaminhado a uma clínica. Se conseguir identificar qual foi a espécie ingerida, é importante levar uma amostra ao profissional.

Você pode gostar também