Política / Transparência

Senado pagará passagens para assessores levarem políticos até a porta do avião

Mesa Diretora do Senado anunciou medida, que seria temporária, após contrato de R$ 2,5 milhões para sala VIP de aeroporto não ser renovado.

Humberto Marques Publicado em 14/03/2021, às 10h22

Plenário do Senado. (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)
Plenário do Senado. (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado) - Plenário do Senado. (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)

O Senado Federal passará a pagar passagens aéreas apenas para que os servidores do órgão cruzem o salão de embarque, de acesso restrito, e acompanhem os parlamentares até a porta do avião em Brasília.

A informação foi divulgada pelo colunista Lauro Jardim. O “mimo”, bancado com dinheiro público, seria temporário, resultado da decisão da Mesa Diretora do Senado em não renovar contrato de R$ 2,5 milhões por ano com uma empresa que mantinha uma sala VIP no aeroporto.

A Jardim, o Senado argumentou que, sem o espaço, assessores e seguranças não poderiam mais ter acesso à área restrita de embarque com os senadores.

A assessoria jurídica do Senado estuda medidas judiciais que possam garantir a entrada dos assessores dos parlamentares na área restrita dos aeroportos. Até lá, a Mesa Diretora do Senado confirmou que vai pagar os bilhetes aéreos para que os assessores os acompanhem.

Lauro Jardim cita, entre os casos que justificariam o pagamento, a escolta da Polícia Legislativa que acompanha o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-SP), filho o presidente Jair Bolsonaro.

Jornal Midiamax