Política / Transparência

Prefeito veta merenda vegetariana e programa de proteção a mulheres em situação de risco

Prefeito veta merenda vegetariana e programa de proteção a mulheres em situação de risco. Justificativas ainda serão publicadas no Diogrande.

Jones Mário Publicado em 06/01/2021, às 14h39 - Atualizado às 15h06

Prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (Foto: Divulgação/PMCG)
Prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (Foto: Divulgação/PMCG) - Prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (Foto: Divulgação/PMCG)

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) decidiu vetar totalmente três projetos de lei aprovados pela Câmara Municipal de Campo Grande em 2020. Os vereadores, que começam o ano legislativo na segunda quinzena de fevereiro, ainda podem derrubar os vetos.

Um dos projetos barrados autoriza o município a implantar o Programa Municipal de Merenda Escolar Vegetariana. A iniciativa pretende atender estudantes da Reme (Rede Municipal de Ensino) com um cardápio opcional.

A matéria foi proposta em 2019 pelos vereadores João César Mattogrosso (PSDB) e Valdir Gomes (PSD), bem como pelo ex-vereador Delegado Wellington (PSDB). A Câmara aprovou no ano passado.

Outro projeto vetado prevê a criação do Programa Municipal para Proteção de Mulheres em Situação de Risco. A iniciativa tem como finalidade construir condomínios residenciais, de até 60 unidades, para servir de casas abrigo a mulheres vítimas de violência doméstica e familiar sob medida protetiva.

A matéria foi proposta pela ex-vereadora Cida Amaral (PSDB), mas é assinada também pelos ex-vereadores Odilon de Oliveira (PDT), Dr. Wilson Sami (MDB) e Dharleng Campos (MDB), além do vereador João César Mattogrosso. O texto foi apresentado e votado no ano passado.

Além destes, o prefeito também rejeitou projeto que institui a divulgação dos valores pagos em publicidade pelo município em anúncios impressos, veiculados na internet, no rádio e na televisão. A proposta é do ex-vereador André Salineiro (Avante), protocolada em 2019 e aprovada em plenário em 2020.

As justificativas para os vetos ainda devem ser publicadas no Diogrande (Diário Oficial do Município).

Jornal Midiamax