Política / Transparência

Câmara recebeu R$ 87,9 milhões para pagar despesas e devolveu R$ 7,6 milhões em 2020

A Câmara Municipal de Campo Grande devolveu R$ 7.6186728,21 à Prefeitura de Campo Grande em 2020. O dado está no balanço orçamentário divulgado na terça-feira (30) e a quantia refere-se ao duodécimo – dinheiro enviado do Executivo para o Legislativo pagar despesas e remunerações de servidores e vereadores. Geralmente, o montante que ‘sobra’ é devolvido […]

Mayara Bueno Publicado em 31/03/2021, às 10h04 - Atualizado às 10h43

Vereadores no dia que analisaram aprovação da compra de vacina, em janeiro deste ano. (Foto: Henrique Arakaki, Arquivo).
Vereadores no dia que analisaram aprovação da compra de vacina, em janeiro deste ano. (Foto: Henrique Arakaki, Arquivo). - Vereadores no dia que analisaram aprovação da compra de vacina, em janeiro deste ano. (Foto: Henrique Arakaki, Arquivo).

A Câmara Municipal de Campo Grande devolveu R$ 7.6186728,21 à Prefeitura de Campo Grande em 2020. O dado está no balanço orçamentário divulgado na terça-feira (30) e a quantia refere-se ao duodécimo – dinheiro enviado do Executivo para o Legislativo pagar despesas e remunerações de servidores e vereadores.

Geralmente, o montante que ‘sobra’ é devolvido aos cofres municipais. No ano passado, a Câmara Municipal recebeu R$ 87.982.402,70, dos quais, R$ 7,6 milhões ‘voltaram’ para a prefeitura. Ainda de acordo com o relatório, R$ 58.268.812,21 foram gastos com pagamento de pessoal, o que representa 66,23% do duodécimo – o limite para uso do dinheiro público para este fim é de 70%, no caso do Legislativo municipal.

Em janeiro deste ano, a Casa de Leis já tinha informado em seu Portal da Transparência o recebimento de R$ 87,9 milhões. Para 2021, a previsão é que, até dezembro, sejam enviados R$ 90.749.000,00 para a Câmara de Campo Grande.

Tal recurso, assim como os demais previstos para cada setor, está estimado na LOA (Lei Orçamentária Anual) de 2021, projeto apresentado pelo município. A receita total de Campo Grande, neste ano, é prevista em R$ 4,6 bilhões.

Jornal Midiamax