Tribunal anuncia acompanhamento mensal de gastos do Governo de MS e prefeituras com o coronavírus

Questionário deverá ser respondido mensalmente e enviado ao TCE; medida foi tomada 5 meses após os primeiros casos de Covid-19 em MS

Quase 5 meses desde o surgimento dos dois primeiros casos de coronavírus em Mato Grosso do Sul, que desencadearam uma série de ações como decretos de situação de emergência pelo Governo o Estado e municípios, o (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul) baixou normativa que exige prestação de contas das ações adotadas contra a pandemia pelo governador e prefeitos.

Dispositivo nesse sentido foi divulgado nesta quinta-feira (13) por meio do Diário Oficial do TCE. Nele, é informado que um link com questionário eletrônico deve ser preenchido e encaminhado à Corte de Contas, relatando medidas adotadas tendo à luz o combate ao coronavírus.

Basicamente, a intenção da Corte é verificar a execução de despesas e adoção de medidas de combate à pandemia, obtendo para realização do controle interno, externo e social dados sobre tais ações.

O documento traz questões como informação da receita arrecadada e estimativa de receita até 30 de junho, se há decreto de calamidade pública vigente na unidade federativa, se foi composta equipe multidisciplinar para gerir as ações contra a Covid-19, meio de divulgação à população das medidas sanitárias, se houve aperfeiçoamento de programas para enfrentar a pandemia, recebimento de repasses federais e renúncia de receita, e se foram feitas dispensas de licitação para enfrentar a pandemia, entre outras.

O primeiro envio de informações deve ser realizado entre 1º e 15 de setembro, com dados das ações promovidas até 31 de agosto. As remessas seguintes serão mensais enquanto durar a emergência de Saúde Pública, sempre até o 5º dia útil do mês subsequente e com dados acumulados até o último dia do mês anterior.

Na normativa, a direção do TCE reforça que a Corte tem “irrestrito acesso a todas as fontes de informações em órgãos e entidades sujeitos à sua jurisdição, para tanto, poderão ser realizadas fiscalizações remotas ou in loco com o fim de apurar a veracidade das informações remetidas ou a não remessa do questionário”.

A falta de prestação das informações ou envio do formulário fora do prazo podem resultar em multa ao responsável. O TCE ainda oferece o e-mail atendimento@tce.ms.gov.br para esclarecer dúvidas. A Secretaria de Tecnologia da Informação do tribunal cuidará da recepção e tratamento das respostas, sendo ainda responsável pelo gerenciamento de dados e viabilização de meios para fornecer os painéis às Divisões de Fiscalização do TCE, “para fins de adoção das medidas de controle pertinentes”.

Tribunal anuncia acompanhamento mensal de gastos do Governo de MS e prefeituras com o coronavírus
Mais notícias