Sejusp oficializa dispensa de diretor-adjunto da Unei Dom Bosco após denúncia de maus tratos

Além do diretor, mais seis agentes foram afastados no mês passado; Sejusp publicou hoje a dispensa

O diretor-adjunto da Unei Dom Bosco (Unidade Educacional de Internação Masculina), Ricardo Lopes Lima foi dispensado das suas funções, após denúncias de maus tratos e agressão a adolescentes. A denúncia aconteceu em setembro do ano passado, mas o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) decidiu pelo afastamento de Ricardo e mais seis agentes em maio.

Até então, os nomes dos agentes não tinham sido divulgados, pelo processo estar em segredo de Justiça. Porém, no DOE (Diário Oficial do Estado) desta quarta-feira (12), foi publicado o afastamento compulsório dos agentes.

Segundo a publicação, a secretaria de Justiça e Segurança Pública, cumpre a decisão judicial da Vara da Infância, Adolescência e do Idoso de Campo Grande e os servidores pertencentes ao Quadro Permanente do Estado de Mato Grosso do Sul, lotados na Unei Dom Bosco, pelo prazo em que durar a medida imposta pela justiça.

Durante o período, eles vão exercer atividades laborais na Sejusp até a decisão final. Os agentes afastados são os seguintes: Benilso Alves; Jean Lesseski Gouveia; Luciano Arantes Marques, Luis Filipe Almeida da Cunha; Milker Ribeiro Trindades; Orivaldo Ribeiro Mundim e o Ricardo Lopes Lima.

Orivaldo também foi dispensado da função de Inspetor de Plantão da Unei.

ENTENDA

A denúncia no MPMS apura supostas agressões a um adolescente que teria tentado fugir com outros três da unidade em setembro do ano passado. Desde então, ele seria agredido pelos agentes. Nos relatos, constam agressões físicas como tapas, uso de spray de pimenta e até mesmo imobilização com algemas nas mãos e pés. Os laudos apontam lesão corporal leve.

A juíza da Vara da Infância, Adolescência e do Idoso, Katy Braun do Prado concedeu liminar no dia 27 de maio, a pedido do MPMS para afastar sete agentes da Unei Dom Bosco para averiguação de denúncias de agressão e maus-tratos a adolescentes em conflito com a lei.

A decisão foi no dia 10 do mês passado, mas a Superintendência de Assistência Socioeducativa do governo do Estado foi notificada no dia 23, quando cumpriu a determinação judicial.

 

Mais notícias