Procurador pede apoio de deputados em investigação por preço do álcool em MS

Estado é 3º maior produtor do país, mas preço segue alto nas bombas

O procurador de Justiça Rodrigo Stephanini, do MPMS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul), esteve nesta quarta-feira (22) na ALMS (Assembleia Legislativa) para pedir apoio dos deputados estaduais na investigação conduzida pelo órgão contra os preços elevados do álcool no Estado.

Mesmo sendo o terceiro maior produtor de cana-de-açúcar do país, o Estado vende a R$ 3,40 o litro do etano nas bombas. “No Mato Grosso, Estado vizinho, o preço é de R$ 2,70. E sempre que aumenta o preço da gasolina, sobe também o do etanol em Mato Grosso do Sul”, esclareceu o procurador ao fazer uso da tribuna.

A discussão teria surgido dentro do MPMS na reunião do Colégio de Procuradores, na semana passada. Coordenador do Centro de Apoio das Promotorias de Justiça do Consumidor, o procurador Aroldo José de Lima ficará responsável pela investigação, que contará com ajuda da ALMS e Procon para coleta de dados.

“Não existe uma explicação razoável para esta diferença. No caso da gasolina, há variação de acordo com o mercado internacional, por conta do preço do barril de petróleo. Mas o etanol não tem essa variável”.

O MPMS deverá investigar o processo desde a produção de usina até o posto de combustível, além da produção e distribuição do etanol. Inquérito sobre o preço do etanol no Estado deverá ser instaurado após a centralização das informações obtidas até o momento acerca dos valores do combustível.

Mais notícias