Polícia Federal fará pente-fino no Bolsa Família em MS desde a criação

Operação deflagrada apurou fraudes no Bolsa Família desde 2016, mas deve ainda investigar desde a sua criação em 2004

Vários documentos e arquivos foram apreendidos por agentes da Polícia Federal na manhã desta terça-feira (12) durante a deflagração da Operação Sodalitia, em Ladário a 426 quilômetros de Campo Grande. As investigações começaram em 2016.

Os documentos e arquivos apreendidos serão periciados pela Polícia Federal, que não descarta ampliar a investigação para o início do Bolsa Família, em 2004 quando virou lei. Segundo o delegado Iuri de Oliveira, da Polícia Federal, ainda não foi possível identificar todos os envolvidos na fraude, mas com os documentos e arquivos apreendidos os autores serão identificados.

Envolvidos que tenham fornecido documentação falsa para conseguir receber o benefício irá responder por estelionato contra a administração pública federal, e caso tenha servidores envolvidos irão responder por peculato e inserção de dados falsos em sistema de informação.

Segundo o site Diário Corumbaense, o delegado ainda teria afirmado que será feito o cruzamento de dados para se chegar a valores desviados pelos envolvidos nas fraudes e o número de pessoas envolvidas. As investigações descobriram irregularidades que envolveriam o não-preenchimento dos requisitos necessários para ter direito ao recebimento do benefício assistencial pelo Governo Federal.

A fiscalização deveria ser feita pela prefeitura de Ladário. Foram coletados indícios de que o benefício teria sido concedido amplamente, a qualquer pessoa que declarasse, por conta própria, preencher os requisitos do programa. Os benefícios eram concedidos a pessoas, que não teriam direito ao benefício. Não havia fiscalização das informações prestadas, além de não haver visitas por parte da Secretaria Municipal de Assistência Social junto aos beneficiários do programa.

Foram cumpridos três mandados de busca e apreensão na Secretaria Municipal de Assistência Social, no CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) e no CREAS (Centro de Referência Especializada em Assistência Social), de Ladário.  As buscas visam verificar a existência de benefícios concedidos ou mantidos indevidamente, em favor de indivíduos que não preencham os requisitos do benefício, tais como a composição familiar e a renda per capita.