Muda empresa responsável por construção de ponte em Glória de Dourados

Em janeiro, Construpontes tinha vencido licitação, mas foi considerada inidônea

Quatro meses depois de ter publicado extrato de contrato autorizando a construção de uma ponte de concreto sobre o rio Pirajuí, em Glória de Dourados, nesta quarta-feira (15), o Governo do Estado publicou o resultado da licitação no Diário Oficial.

Em 15 de janeiro deste ano, a empresa vencedora da licitação tinha sido a Construpontes – Construtora e Serviços LTDA. Porém, hoje foi publicado que as partes envolvidas são a Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) e a Matpar Indústria Comércio e Engenharia.

De acordo com a Agesul, a Construpontes foi declarada inidônea em abril, e de acordo com a Lei de Licitações está impedida de efetuar contratos com a administração pública. Por esse motivo o contrato foi firmado com a Matpar, porém, no mesmo valor firmada com a primeira empresa vencedora.

O orçamento para a construção da ponte no município é de R$ 810.585,37. A licitação para obra foi aberta pelo governo no dia 25 de setembro de 2018 e a vencedora divulgada depois de quatro meses, em janeiro deste ano e até então, era a Construpontes.

A ponte será construída em rodovia vicinal e terá extensão de 25 metros. A estrada liga Glória de Dourados ao município de Ivinhema. O prazo para execução da obra será de 120 dias consecutivos, contado da data de recebimento da Ordem de Início dos Serviços, a ser expedida pela Agesul.

Além da previsão desta obra, foi autorizada no valor de R$  364.379,33 mil, pavimentação asfáltica e drenagem de águas pluviais no Jardim Dourados, em Três Lagoas.

Contratos rescindidos pela Agesul

Conforme relatório da Secretaria Estadual de Infraestrutura e da Agesul, 19 obras de pavimentação e drenagem foram abandonadas pelas empresas contratadas, nos municípios de Porto Murtinho, Terenos, Rochedo, Dois Irmãos do Buriti, Sidrolândia, Aparecida do Taboado, Água Clara, Chapadão do Sul, Japorã, Aral Moreira, Nova Alvorada do Sul e Tacuru. Em Bodoquena não foi executada a reforma do prédio da delegacia de polícia.

Somente a empresa Construpontes Construtora e Serviços deixou de cumprir sete contratos (seis de infraestrutura urbana e a reforma do prédio da delegacia) com o Estado. Além dela, a Agesul rescindiu contratos com a Construtora Aurora, Construtora J. Gabriel, Decimal Engenharia (duas obras), HSP Menezes Construções (três obras), Mariju Engenharia (quatro obras) e RMW Empreendimentos (duas obras).

Mais notícias