Governo de MS nomeia novo Corregedor-Geral e demite servidor que acumulava cargos

Relação consta no Diário do Estado

Na edição desta segunda-feira (11) do Diário Oficial do Estado, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) assinou decretos com nomeação de comissionados, entre eles o ex-senador Pedro Chaves, exoneração e até demissão de servidor público.

O governador designou o servidor Natalino Gonçalves de Almeida para ‘desempenhar na Controladoria-Geral a função de Corregedor-Geral do Estado’, a contar de 2 de janeiro de 2019.

A Corregedoria-Geral do Estado, de acordo com o governo, é o órgão de atuação institucional da Controladoria-Geral do Estado na função Correição, sendo representada pelo Corregedor-Geral do Estado e compreende as atividades relacionadas à prevenção e à apuração de irregularidades, no âmbito do Poder Executivo Estadual, por meio da instauração e da condução de instrumentos correcionais.

Ainda no Diário, o governador assinou o decreto que aplicou pena de demissão ao servidor Arnaldo Ramires Koch, ocupante do cargo de Agente de Serviços Organizacionais, lotado na Agesul (Agência Estadual de Gestão Empreendimentos). Ele foi condenado por acúmulo de cargo público,uma vez que, segundo denúncia do MP-MS (Ministério Público Estadual), dava aulas na rede pública de Três Lagoas ao mesmo tempo em que deveria estar atuando no governo, sendo remunerado pelas duas funções que, em tese, exercia ao mesmo tempo.

Nomeação

Empossado oficialmente na última sexta-feira (8), Chaves foi nomeado para o cargo ‘em comissão de Administração Superior e Assessoramento, símbolo DCA-0, na função de Secretário Especial no Escritório de Relações Institucionais e Assuntos Estratégicos do Estado no Distrito Federal’, com validade desde 1º de fevereiro.

Também na edição de hoje do Diário, quatro servidores comissionados foram exonerados e pouco mais de 20 pessoas viram sua nomeação, algumas com validade desde janeiro de 2019, sair para diversas secretarias.

Confira todas as nomeações e exonerações a partir da página 19 do Diário do Estado (LINK).

Mais notícias