Dois servidores são condenados por envolvimento na Máfia das Sanguessugas em MS

Dois servidores públicos do Ministério da Saúde foram condenados pela Justiça por improbidade administrativa após acusação de não prestarem informações sobre fraudes em licitação para a compra de ambulância em Dois Irmãos do Buriti. O caso faz parte da Máfia das Sanguessugas, que já condenou até políticos.

Entre eles está o ex-deputado estadual pelo PT, João Grandão, além da ex-deputada estadual e atual chefe da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, Mara caseiro. Na época dos fatos, Grandão era deputado federal e Mara prefeita de Eldorado.

A ação relativo a Dois Irmãos do Buriti foi impetrada pela AGU (Advocacia-Geral da União), apontando que os ilícitos faziam parte do esquema descoberto pela PF (Polícia Federal) em 2006 e envolvia fraudes em licitações para aquisição de ambulâncias superfaturadas em dezenas de municípios brasileiros.

Na ação, a AGU também afirma que os servidores “não cumpriram os deveres inerentes às suas funções, que era de acompanhamento e fiscalização do convênio celebrado entre a União e o município para a compra da ambulância” e que omitiram informações importantes que demonstravam fraudes e superfaturamento da proposta vencedora.

Comprada na época por RS 60 mil, a viatura tinha valor de mercado de RS 47 mil. A decisão de agora foi tomada pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) e ratifica a já tomada anteriormente pelo TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região).

(Com Agência Estado)