Após 8 anos, Justiça ouvirá testemunha de superfaturamento contra ex-secretário

Promotor apontou que compras tinham preços 298% maiores que os do mercado

Oito anos após denúncia inicial, foi marcada para o dia 17 de outubro audiência que ouvirá testemunha sobre denúncia de superfaturamento que teria sido cometido pelo ex-secretário de saúde de Bonito, Nivaldo Inácio Carneiro, em ação civil pública por dano ao erário.

Conforme mandado de intimação expedido pela juíza Paulinne Simões de Souza, da 2ª Vara de Bonito, está prevista a oitiva de um advogado. O processo é decorrente de denúncia feita pelo promotor de Justiça Thalys Franklyn de Souza, quando ainda atuava no município.

Após assumir a direção da associação beneficente que administra o Hospital Darci João Bigaton, a junta interventora constatou que haviam sido comprados pelo então secretário produtos com preços superiores aos praticados no mercado. A compra em questão somou R$ 35,9 mil e, em consulta a outras empresas, a junta verificou que o preço era de R$ 12 mil.

Além do sobrepreço, foi apontado na denúncia do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) que a empresa tentava receber crédito de R$ 30 mil por produtos que nem haviam sido entregues. Por se tratar de hospital mantido com recursos públicos, foi aberto procedimento contra o secretário por improbidade administrativa pedindo inclusive ressarcimento dos gastos.

Na quinta-feira (12), Nivaldo entrou em contato com o Jornal Midiamax para esclarecer que havia um processo judicial em andamento para a cobrança dos restos em a ver com uma das empresas, mas que em 2016 foi feito um acordo judicial e a empresa teria aberto mão do recebimento.

“Eu tenho toda a documentação e vou levar na audiência no dia 17. Mas eu nem fui intimado ainda sobre esse processo”, explicou.

(Matéria editada dia 12 de setembro para acréscimo de informações). 

Mais notícias