Gaeco deflagra operação na casa de vereador condenado que perdeu eleição

Ação em Bela Vista teria relação com falsificação de holerites

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) deflagrou na manhã desta quarta-feira (5) uma operação na cidade de Bela Vista, município na fronteira com o Paraguai e distante 344 km da Capital. Informações locais dão conta que os agentes estão na casa do vereador Antonio Flávio Barbosa Cabral, o Pato (PHS), que perdeu as eleições no último domingo (2).

Pato foi condenado na semana passada acusado de ter comandado um esquema de falsificação de holerites para contratação de empréstimo consignado de pessoas que nunca foram servidoras da Câmara de Bela Vista, durante o período em que ele comandou a Casa, entre 2007 a 2009.

Em Bela Vista a eleição foi bastante acirrada. O vereador Pato disputou a última eleição como candidato a vice-prefeito na chapa encabeçada por Guto Zacarias (PMDB), que recebeu 3322 votos. O vencedor do pleito foi o tucano Reinaldo Pitti, com 3527 votos. O atual prefeito, Douglas Gomes (PP), foi o terceiro com 3217 votos.

A condenação do vereador, publicada na última quinta-feira (29), partiu de uma denúncia oferecida pelo MPE-MS (Ministério Público Estadual), de que Pato teria autorizado a celebração de parceria com o Banco Morada para contratação de empréstimos consignados, falsificando holerites para que pelo menos nove pessoas emprestassem em média R$ 15 mil, valor que não quitaram junto à instituição financeira.

O vereador nega as irregularidades e diz que vai recorrer da condenação, que suspendeu seus direitos políticos por cinco anos, além de determinar perda da função pública, proibição de contratarem com o Poder Público ou de receber incentivos fiscais por três anos e multa de 100 vezes o valor que recebia de salário na época da fraude.

O parlamentar não foi localizado nesta quarta-feira para comentar a operação. Segundo a imprensa de Bela Vista, a promotoria da cidade ficou de emitir um comunicado sobre a operação ainda na manhã de hoje. 

Mais notícias