Política / Bastidores

[ BASTIDORES ] Deputado com nome sujo vai à Justiça

Nome sujo O deputado federal Beto Pereira (PSDB-MS) vai receber R$ 10 mil de indenização por danos morais da agência de viagens CVC. A empresa foi condenada em ação movida pelo parlamentar, que reclama da cobrança de uma dívida não existente. Pereira chegou a ter o nome incluído no cadastro do Serasa. Parcelado Leia também: […]

Da Redação Publicado em 26/02/2021, às 06h00

None

Nome sujo

O deputado federal Beto Pereira (PSDB-MS) vai receber R$ 10 mil de indenização por danos morais da agência de viagens CVC. A empresa foi condenada em ação movida pelo parlamentar, que reclama da cobrança de uma dívida não existente. Pereira chegou a ter o nome incluído no cadastro do Serasa.

Parcelado

A dívida seria de seis parcelas de R$ 615,76, referente a um pacote de viagem que o deputado nega ter comprado. A decisão do juiz Alexandre Corrêa Leite, da 13ª Vara Cível Residual de Campo Grande, determinou a extinção do débito.

Condenada

De quebra, também condenou a CVC a arcar com os honorários do advogado de Beto Pereira. Já o valor da indenização deverá ser corrigido por juros e inflação, contados a partir de novembro de 2018, quando o nome do parlamentar entrou na lista do órgão de proteção ao crédito

De volta

A ex-vereadora Luiza Ribeiro retorna à Câmara Municipal de Campo Grande como assistente em cargo comissionado. Ela foi nomeada ontem (24) pelo presidente da Casa, Carlão (PSB).

Assessora

Filiada ao PT, Luiza vai trabalhar assessorando a bancada do partido, que tem na Câmara os vereadores Ayrton Araújo e Camila Jara. A advogada disputou vaga no Legislativo nas eleições de 2020, mas, com 2.030 votos, terminou como suplente.

Quebra de hierarquia

A sessão de quinta-feira (25) da Assembleia Legislativa começou com uma brincadeira. O segundo secretário da Mesa Diretora, Herculano Borges (Solidariedade), pediu licença para se ausentar do plenário para participar de evento virtual da Unale (União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais) e indicou um substituto, o vice-presidente Eduardo Rocha (MDB).

Continência

O presidente Paulo Corrêa (PSDB) não resistiu e perguntou: “Deputado, o senhor serviu no Exército?”. Com a resposta negativa de Herculano, Corrêa rebateu: “Pois eu nunca vi subordinado mandar no superior”, disparou.

Onde já se viu?

O tucano aumentou a “zoeira” trazendo Capitão Contar (PSL) para a conversa. “Deputado, o senhor que veio do Exército já viu isso?”. Ao que Contar, militar de carreira na força armada, respondeu: “Não, presidente. Inclusive quando isso acontecia, jogávamos o soldado na água”, brincou.

Apenas descontração

Após um leve momento de tensão, Corrêa autorizou a saída de Herculano e permitiu que Rocha secretariasse os trabalhos. Respeito No fim da sessão, Rocha propôs um minuto de silêncio em memória dos 250 mil mortos pela Covid-19 em todo o Brasil. Destes, mais de 3 mil são sul-mato-grossenses.

Querido

O presidente da Assembleia foi às redes sociais agradecer a homenagem do Governo do Estado por ter assumido a chefia do Executivo nas férias de Reinaldo Azambuja (PSDB), em janeiro. “Recebi um vídeo e um placa com uma linda homenagem. Muito orgulhoso de ter sido apenas o terceiro Presidente da Assembleia de MS a assumir o governo”, escreveu Paulo Corrêa.

Caro demais

No Facebook, o deputado estadual João Henrique Catan (PL) repercutiu reportagem do Jornal Midiamax que mostrou a desistência de taxistas e motoristas de aplicativo devido ao alto custo da gasolina. “Além destes aumentos sucessivos, não têm qualquer incentivo para continuar rodando”, apontou.

Sem medo

Mesmo com a alta da pandemia do novo coronavírus, os parlamentares estaduais parecem não temer o contágio. A maioria deles não hesita em posar para fotos abraçados com visitantes de seus gabinetes, mesmo com recomendação das autoridades de saúde para evitar contato físico e manter o distanciamento de 1,5m.

Jornal Midiamax