Política / Bastidores

[ BASTIDORES ] Barrados, mas nem tanto

Da redação Publicado em 05/04/2021, às 06h00

Bastidores
Bastidores - Foto: Midiamax

Aí tem

Dois prefeitos interinos em Mato Grosso do Sul aproveitam a exposição para divulgar atos de suas gestões. Os eleitos em Angélica e Paranhos não tomaram posse por terem suas candidaturas barradas na Justiça Eleitoral. Diário Donizete Viaro (MDB), que assumiu a prefeitura de Paranhos, usa seu perfil para divulgar cada ato da gestão e também filosofar com os seguidores.

Lista

Geraldo Rodrigues (PSDB), o Boquinha, fez com a prefeitura de Angélica publicasse em seu site um balanço de sua gestão, que começou em janeiro. Ele também divulga parte de sua agenda nas redes sociais.

De olho

Nenhum dos dois admite, mas podem ser candidatos em uma eventual eleição suplementar caso o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) rejeite os recursos do pedetista João Cassuci em Angélica e do emedebista Heliomar Klabunde.

Mais um

O prefeito interino de Angélica, aliás, é o segundo a ser internado para tratar a Covid-19. O chefe do Executivo municipal de Miranda, Edson Moraes (PSDB), está em um hospital particular de Campo Grande.

Em alta

O bom desempenho de Campo Grande entre as capitais do Brasil na vacinação contra o coronavírus tem trazido holofotes nacionais para cidade. Entre secretários de saúde de cidades pelo Brasil, o interesse por entender o processo colocado em prática na capital Morena tem rendido ligações e contatos diários para a saúde municipal.

Reflexos

Ainda falando sobre vacinação, a decisão do município em iniciar vacinação de profissionais da segurança já neste fim de semana foi bem recebida por boa parte da sociedade. No entanto, um detalhe chamou atenção.

Linha de frente?

Inicialmente, a prefeitura informou que somente profissionais da linha de frente da segurança, aqueles que estão nas ruas, seriam vacinados. A imunização abrangeu servidores municipais, estaduais e federais que desempenham as funções em Campo Grande.

Na fila

Ocorre que no caso dos federais, liberação de vacina para agentes que cumprem serviço administrativo em home office há praticamente um ano revoltou muita gente e gerou críticas. Enquanto isso, pessoas que atuam em outras áreas e que também são linha de frente seguem esperando sua vez.

Jornal Midiamax