[ BASTIDORES ] Posse prestigiada pegou ministérios de surpresa e deixou até gringo de pé

Foto: Divulgação/Antonio Araujo/MAPA

 

Prestígio

A posse de Tereza Cristina (DEM) no MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) foi muito mais prestigiada do que se imaginava. O espaço onde aconteceu a transmissão de cargo ficou pequeno.

Lotado

Sem espaço até mesmo para sentar, teve representante de organismos internacionais, ligados à agropecuária, que assistiu a cerimônia em pé. Até o colega de governo e agora ministro, Luiz Henrique Mandetta (DEM), da Saúde, não encontrou lugar fácil para se acomodar.

Aqui não

Preocupado com a lotação na posse de Tereza, Mandetta (DEM) solicitou à sua equipe que reduzisse o número de presentes na sua transmissão de cargo. Inicialmente, até mesmo jornalistas tiveram acesso limitado ao espaço, mais tarde, todos foram liberados.

Presentes

Os parlamentares eleitos do PSL, Soraya Thronicke, para o Senado, e Tio Trutis, para Câmara dos Deputados, prestigiaram as duas posses dos conterrâneos.

Click

A senadora eleita não perdeu a oportunidade de figurar ao lado dos dois ministros. Questionada por um assessor se havia conseguido tirar uma foto, ela respondeu satisfeita que sim!

Pressão

O assunto mais comentado na posse de Tereza foi a decisão do presidente Jair Bolsonaro (PSL) em retirar da Funai a competência de demarcação de terras indígenas.

Conselhão

Tereza e o ruralista Nabhan Garcia, que ganhou importante função no MAPA, explicaram que o Conselho Ministerial, que será presidido por um dos cinco ministros que irão compor o grupo, é que terá competência sobre as demarcações. “Sem viés ideológico”, afirmaram.

Amigos

Enquanto Gilberto Occhi (PP) fez questão de transmitir o cargo a Mandetta, o ex-ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PSDB), alegou compromissos familiares e não foi à cerimônia com Tereza Cristina. A democrata disse que ela e o antecessor são amigos e que já haviam conversados antes.

Explicação

Mandetta, por sua vez, disse que não se candidatou novamente ao cargo de deputado federal, por dois motivos: 1º porque tinha missão de acompanhar Ronaldo Caiado (eleito governador goiano) e, 2º, por ter um compromisso na formatação do plano de governo de Bolsonaro.

Anotem

Beatriz Dobashi! Mandetta disse que a ex-secretária de saúde de Mato Grosso do Sul é um destaque no SUS. “Vocês ouvirão esse nome”, disse o ministro, que fez ministério se a conterrânea irá compor sua equipe.

Mais notícias