Política

Vereadora pede investigações nas contas da Funsaud e cobra auditoria externa

A milionária dívida da Funsaud (Fundação de Serviços de Saúde de Dourados), que já passa de R$ 70 milhões, entrou novamente na pauta de discussões da Câmara Municipal de Dourados. O assunto foi levantado pela vereadora Lia Nogueira (PP), nesta sexta-feira (12), que cobrou explicações sobre mais de R$ 700 mil de débitos com fornecimento […]

Marcos Morandi Publicado em 12/02/2021, às 21h40 - Atualizado às 21h46

Vereadora quer auditoria externa nas contas da Funsaud. (Foto: Reprodução)
Vereadora quer auditoria externa nas contas da Funsaud. (Foto: Reprodução) - Vereadora quer auditoria externa nas contas da Funsaud. (Foto: Reprodução)

A milionária dívida da Funsaud (Fundação de Serviços de Saúde de Dourados), que já passa de R$ 70 milhões, entrou novamente na pauta de discussões da Câmara Municipal de Dourados. O assunto foi levantado pela vereadora Lia Nogueira (PP), nesta sexta-feira (12), que cobrou explicações sobre mais de R$ 700 mil de débitos com fornecimento de energia.

Segundo a parlamentar, as discussões sobre a Funsaud já estão ficando cansativas, mas são necessárias. “Infelizmente hoje nos deparamos com um documento da Energiza comunicando e cobrando uma posição da Câmara Municipal quanto a uma dívida de mais de R$ 700 mil de débitos de várias unidades da Funsaud desde março de 2020”.

A vereadora não poupou críticas à administração anterior que deixou a Funsaud chegar ao caos que se encontra. Entretanto ela também não isentou a reponsabilidade da atual gestão. “Nós temos um vice-prefeito que é um médico e que deve ter conhecimento da situação da Funsaud. ”, disse Lia Nogueira.

Ela, ressaltou ainda, ainda que situação já tinha sido detectada no processo de transição e que “todos esses dados têm que vir à tona. A transição existe para isso”, ponderou a parlamentar, ressaltando que a Comissão de Saúde da Câmara, que é presidida pelo médico Diogo Castilho, irá oficiar a Prefeitura de Dourados, cobrando a realização de uma autoria externa.

“Não tem como não agir em relação à Funsaud. Meus senhores, minha senhora, é uma situação degradante. É a beira do precipício, do colapso total. Vou transformar tudo isso em um requerimento cobrando explicações da atual administração”, comentou a parlamentar.

Jornal Midiamax