Política

Simone Tebet pode ser terceira de Mato Grosso do Sul a presidir o Senado

Se eleita hoje (1º), além de terceira sul-mato-grossense a chegar ao cargo, Simone Tebet será primeira mulher a comandar o Congresso Nacional.

Jones Mário Publicado em 01/02/2021, às 13h47 - Atualizado às 13h48

Senadora pelo MDB-MS Simone Tebet (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)
Senadora pelo MDB-MS Simone Tebet (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado) - Senadora pelo MDB-MS Simone Tebet (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

Candidata na eleição de hoje (1º), Simone Tebet (MDB-MS) pode ser a terceira de Mato Grosso do Sul a presidir o Senado Federal desde a redemocratização do País. A emedebista disputa o cargo com Rodrigo Pacheco (DEM-MG), Jorge Kajuru (Cidadania-GO), Major Olimpio (PSL-SP) e Lasier Martins (Podemos-RS).

O senador pelo então PMDB de Mato Grosso do Sul, José Fragelli, foi o primeiro presidente eleito após o fim da ditadura militar, em 1985. Ele venceu com 38 votos e ficou à frente da Casa até 1987.

Um representante sul-mato-grossense voltou a presidir o Senado Federal em setembro de 2001, quando Ramez Tebet, também do PMDB, recebeu 41 votos e foi eleito. Ele ficou no cargo até 2003.

Ramez substituiu Jader Barbalho, então no PMDB, que renunciou após ser alvo de processo por quebra de decoro parlamentar.

Filha de Ramez Tebet, Simone entra oficialmente na corrida pela presidência do Senado pela primeira vez. Se eleita, além de terceira sul-mato-grossense a chegar ao cargo, será a primeira mulher a comandar o Congresso Nacional.

O rito eleitoral é realizado na tarde de hoje, presencialmente, no plenário do Senado. A votação é secreta.

O principal adversário de Simone Tebet é Rodrigo Pacheco. O democrata é apoiado pelo atual presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Além disso, tem a “benção” do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Jornal Midiamax