Política

Petistas de MS celebram decisão favorável a Lula e defendem candidatura em 2022

A decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Edson Fachin, que determinou que voltem à estaca zero os processos contra o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi comemorada pelos petistas de Mato Grosso do Sul. As peças serão remetidas à Justiça Federal no Distrito Federal. Ex-governador do Estado e ex-deputado […]

Adriel Mattos Publicado em 08/03/2021, às 17h17 - Atualizado em 09/03/2021, às 09h10

Foto: Reprodução, Facebook
Foto: Reprodução, Facebook - Foto: Reprodução, Facebook

A decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Edson Fachin, que determinou que voltem à estaca zero os processos contra o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi comemorada pelos petistas de Mato Grosso do Sul. As peças serão remetidas à Justiça Federal no Distrito Federal.

Ex-governador do Estado e ex-deputado federal, Zeca do PT diz que a decisão era aguardada. “Ele [Lula] foi execrado e o [ex-juiz e ex-ministro Sergio] Moro tem que ser condenado e preso”, avalia.

Zeca destaca que a decisão cria ambiente favorável a uma nova candidatura de Lula. “É um fortíssimo candidato. O povo tem saudades e não aguenta viver na carestia, com o preço da gasolina, da comida. Quer voltar a comprar seu carro”, explicou.

Já o deputado estadual Pedro Kemp também criticou a Lava Jato. “Isso mostra que a Lava Jato é uma farsa, que criminalizou o PT e o Lula para tirá-lo das eleições [de 2018]. Foi tudo combinado e tramado”, disse, em referência às conversas reveladas na Operação Spoofing e pela Vaza Jato.

Entenda

Fachin anulou as condenações contra Lula por entender as ações não poderiam ter corrido em Curitiba, porque os fatos apontados não têm relação direta com o esquema de desvios na Petrobras. Com isso, ficam anuladas as decisões dos processos referentes ao tríplex do Guarujá, sítio de Atibaia, sede do Instituto Lula e doações ao Instituto Lula.

Em razão da decisão, o ministro declarou a perda do objeto de dez habeas corpus e de quatro reclamações apresentadas pela defesa do ex-presidente, entre eles a ação em que questiona a suspeição do ex-juiz Sergio Moro, que era titular da 13ª Vara de Curitiba.

Jornal Midiamax