Política

Ministro da Justiça vem a Campo Grande para palestra no TJMS sobre plano de forças-tarefas

Palestra com ministro da Justiça André Mendonça será no plenário do Tribunal Pleno e terá transmissão ao vivo pelo canal do TJMS no Youtube.

Jones Mário Publicado em 11/03/2021, às 14h37 - Atualizado às 14h42

Ministro da Justiça André Mendonça (Foto: Isaac Amorim/MJSP)
Ministro da Justiça André Mendonça (Foto: Isaac Amorim/MJSP) - Ministro da Justiça André Mendonça (Foto: Isaac Amorim/MJSP)

O ministro da Justiça e Segurança Pública André Mendonça vai ministrar uma palestra em Campo Grande no próximo dia 19, no TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). Na pauta do evento estão as forças-tarefas de combate ao crime organizado pelo Susp (Sistema Único de Segurança Pública).

De acordo com o TJMS, a palestra será no plenário do Tribunal Pleno e terá transmissão ao vivo pelo canal da corte no Youtube. O presidente do TJMS, desembargador Carlos Eduardo Contar, convidou dirigentes de órgãos e instituições de Segurança Pública, sistema prisional e competências criminais do Judiciário.

O número de participantes do evento será limitado, com confirmação antecipada de presença, a fim de controlar o acesso ao local. Será obrigatório o uso de máscaras, em respeito às medidas de biossegurança para evitar o contágio pela covid-19.

André Mendonça está no comando da pasta da Justiça desde abril de 2020. Ele assumiu a vaga deixada pelo ex-juiz Sergio Moro, que abandonou o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) após desavenças com o presidente sobre supostas tentativas de interferência na Polícia Federal. O caso é investigado em inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal).

Plano de Forças-Tarefas prevê atuação conjunta de polícias

O Plano de Forças-Tarefas Susp de Combate ao Crime Organizado foi lançado em janeiro deste ano pelo Ministério da Justiça. As ações terão como foco prevenção, repressão, monitoramento e investigação de grandes organizações criminosas a partir da atuação conjunta entre as polícias da União e dos estados.

Além disso, as forças-tarefas pretendem isolar lideranças do crime organizado que hoje estão presas, bem como descapitalizar facções por meio de bloqueio e venda antecipada de bens.

Os seis estados que apresentaram os maiores aumentos em números absolutos de homicídios no primeiro semestre de 2020, quando comparados com o mesmo período de 2019, poderão aderir ao Plano de Força-Tarefas primeiro. São eles: Ceará, Paraná, Pernambuco, Bahia, Maranhão e Rio Grande do Norte.

De junho deste ano em diante, a adesão será facultada aos estados que sediam penitenciárias federais, caso de Mato Grosso do Sul. Os demais estados poderão aderir ao plano a partir de janeiro de 2022.

Jornal Midiamax