Empresário cita Mandetta em depoimento sobre impeachment de Witzel

O empresário Edson Torres disse em depoimento no processo de impeachment do governador afastado do Rio de Janeiro, (), que o ex-secretário de saúde Edmar Santos desistiu de punir a organização social Iabas (Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde) após uma reunião entre o representante da entidade, o advogado Roberto Bertholdo, e o ex-ministro as Saúde, .

O Iabas é o pivô do afastamento Witzel do governo. A organização foi contratada por R$ 835,8 milhões para gerir hospitais de campanha na pandemia apesar de um histórico de má-gestão em hospitais públicos no estado e no município do Rio de Janeiro.

Segundo Torres, a reunião entre o advogado do Iabas, Roberto Bertholdo, o então secretário de Saúde do Rio, Edmar Santos, e Mandetta, ocorreu no início de 2019, quando o governo estadual planejava romper o contrato da organização para gestão do hospital Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, publicou o site O Antagonista.

“No início de 2019, falávamos da incapacidade de gestão do Iabas no Adão Pereira Nunes, que seria necessário retirá-lo. Depois de 15 dias, Edmar voltou de uma reunião em Brasília com o ministro Mandetta. Ele disse que lá, no gabinete do Mandetta, foi apresentado ao Bertholdo, e que pediu para poder fazer uma gestão para manter o Iabas”, disse Torres.

No depoimento de hoje, ele disse que o Iabas não participou do esquema de corrupção no governo Witzel, mas que ele seria chamado a contribuir para a “caixinha da propina” da Secretaria de Saúde após os novos contratos dos hospitais de campanha montados na pandemia. (Informações do Antagonista)

Empresário cita Mandetta em depoimento sobre impeachment de Witzel
Mais notícias