Em ano de ‘home office’, deputados federais de MS faltam menos e propõem mais

Sessões e votações da Câmara foram remotas durante praticamente todo o ano de 2020

Os deputados federais da bancada sul-mato-grossense se adaptaram bem ao trabalho remoto durante praticamente todo o ano de 2020. Ao menos é o que apontam os números da Câmara. Segundo eles, os parlamentares faltaram menos e apresentaram mais projetos de lei.

Os dados da Transparência do Legislativo Federal mostram que, ao todo, os oito deputados de somaram 24 dias de faltas no ano passado. O mais ausente foi Dagoberto Nogueira (PDT), com sete faltas, entre justificadas ou não. A menos, Rose Modesto (PSDB), que atendeu a todas as sessões em plenário.

A soma é menos da metade do total de ausências em 2019 – 64 faltas. Naquele ano, só (PSL) não apareceu para trabalhar em 27 oportunidades.

Além disso, dos oito parlamentares sul-mato-grossenses, só Dagoberto e Fábio Trad (PSD) faltaram mais em 2020 do que em 2019.

Em ano de ‘home office’, deputados federais de MS faltam menos e propõem mais
(Fonte: )

Desde março, a e o Senado adotaram sistema remoto de votação, a fim de evitar aglomerações nos plenários. Além disso, as reuniões de comissões ficaram suspensas. O modelo funcionou e o Congresso estuda mesclar sessões à distância com as presenciais em um cenário pós-pandemia de covid-19.

Cresce número de projetos apresentados por deputados federais de MS

O home office também não impediu que os deputados de alavancassem a propositividade. Em 2020, a bancada estadual apresentou 159 projetos de lei, número bem acima dos 65 acumulados em 2019.

(PT) liderou o quesito, com 55 propostas. Já Dr. (PSL) assinou apenas um projeto de lei e teve o menor desempenho.

Os únicos parlamentares com menos propostas em 2020 se comparado com o ano anterior foram Beto Pereira (PSDB), e Fábio Trad.

Em ano de ‘home office’, deputados federais de MS faltam menos e propõem mais
(Fonte: )

A Câmara dos Deputados volta do recesso em fevereiro.

Em ano de ‘home office’, deputados federais de MS faltam menos e propõem mais