Política

TRE-MS retotaliza votos de Campo Grande e diploma Delei Pinheiro nesta sexta-feira

Reprocessamento dos votos de Campo Grande foi provocado por decisão judicial que acatou recurso e deferiu o registro do candidato do PSD.

Jones Mário Publicado em 17/12/2020, às 15h28 - Atualizado em 18/12/2020, às 07h31

Sede do TRE-MS no Parque dos Poderes (Foto: Leonardo de França/Midiamax)
Sede do TRE-MS no Parque dos Poderes (Foto: Leonardo de França/Midiamax) - Sede do TRE-MS no Parque dos Poderes (Foto: Leonardo de França/Midiamax)

O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral) vai providenciar a retotalização dos votos das eleições municipais de Campo Grande nesta sexta-feira (18), às 14h, na sede do cartório da 8ª Zona Eleitoral, localizada no Fórum Eleitoral, no Jardim Veraneio. Ministério Público Eleitoral, OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil) e partidos políticos foram convidados para acompanhar o processo.

A retotalização foi provocada por decisão do TRE-MS, de quarta-feira (16), que acatou recurso e reformou acórdão para deferir o registro de candidatura de Delei Pinheiro (PSD). Assim, seus 3.850 votos passam a ser válidos e ele garante vaga na Câmara de Vereadores de Campo Grande. Por outro lado, Dharleng Campos (MDB) perde sua cadeira.

O tribunal vai proclamar o candidato do PSD eleito após o reprocessamento. Na sequência, o TRE-MS diploma Delei Pinheiro em sessão marcada para 17h, no gabinete da 2ª Vara Cível Residual de Campo Grande, no Fórum Heitor Medeiros, Centro da Capital. Só ele e o vereador reeleito Gilmar da Cruz (Republicanos), diagnosticado com covid-19, não receberam o atestado que autoriza a posse no Legislativo durante cerimônia, ontem.

O TRE-MS publicou o edital para retotalização e diplomação ainda na quarta-feira (16), em cartório. O juiz da 8ª Zona Eleitoral, Paulo Afonso de Oliveira, assinou o ato.

Com a confirmação da eleição de Delei Pinheiro, a bancada do PSD na Câmara fica ainda maior, com seis cadeiras. Além dele, foram eleitos pelo partido Tiago Vargas, Beto Avelar, Otávio Trad, Valdir Gomes e Junior Coringa.

Sem Dharleng, a representatividade do MDB cai para duas cadeiras – as de Dr. Loester e Dr. Jamal. A defesa da vereadora prometeu recorrer ao TSE.

Jornal Midiamax