Subsecretário pede afastamento e aposta em rede para eleger candidatos LGBT em MS

Disputa a cargo de vereador na Capital será pelo DEM, onde se filiou a convite de Murilo Zauith

Após 3 anos à frente da Subsecretaria LGBT do Governo do Estado, Frank Rossatte, de 33 anos, deixou o comando da pasta na última sexta-feira (3) para disputar uma vaga de vereador na Câmara Municipal de Campo Grande. A convite do vice-governador Murilo Zauith (DEM), sua participação na disputa será pelos Democratas.

Mas, a plataforma de campanha é interpartidária, adiantou o pré-candidato. De acordo com ele, o movimento LGBT organizou candidaturas na Capital, em Dourados, Três Lagoas, Nioaque, Aquidauana e Paranaíba. “Essa questão da comunidade é maior que a politica partidária. Na eleição anterior, era cada um por si e Deus por todos. Agora, vamos pedir voto também para os candidatos [a vereador] de outras cidades”, detalhou.

A ideia foi concebida devido à falta de um candidato que tenha surgido do movimento. “Queremos um vereador LGBT, não temos ninguém em todo o Estado”, enfatizou. De acordo com ele, alguns nomes nas Câmaras ainda acompanham os interesses do grupo em determinadas votações, mas não há nenhum que ‘levante a bandeira’ e nem que ‘faça uma fala na tribuna’.

Subsecretário pede afastamento e aposta em rede para eleger candidatos LGBT em MS
(Reprodução)

Rossate lembrou que as Câmaras estão repletas de vereadores vinculados a segmentos evangélicos, a lideranças e comunidades específicas. “A gente vem tentar uma campanha de representatividade’, pontuou.

Para isso, ele deixou o trabalho voltado à conscientização em termos de políticas públicas, que vinha desenvolvendo na subsecretaria. Apesar do afastamento como subsecretário, ele permanece como assessor no Governo do Estado, cargo do qual deve se afastar nos três meses anteriores à eleição. No triênio em que esteve à frente das atividades, as ações da subsecretaria foram voltadas à capacitação de servidores públicos, incluindo polícias, para combate à violência e ao preconceito contra o público transexual.

Nas últimas eleições, ele já tentou uma vaga na Câmara, mas diz que a experiência foi apenas para saber como seria participar de uma disputa. “Foi sem estrutura, minha campanha foi sem um real. Agora venho mais estruturado”, assegurou. Além do trabalho na subsecretaria, ele realiza concursos de beleza para o público LGBT. Dentre eles, o Miss e Mister MS Gay, o Drag Star de MS e o Miss MS Gay Plus Size.

Subsecretário pede afastamento e aposta em rede para eleger candidatos LGBT em MS
Mais notícias