Reforma tributária deve ser prioridade do Congresso, defende deputado petista

Na avaliação de Vander, reformas feitas nos últimos anos só empobreceram a população

Em seu quinto mandato na Câmara dos Deputados, em Brasília (DF), o deputado federal sul-mato-grossense Vander Loubet (PT) defende que a discussão sobre os tributos cobrados no País seja prioridade no Congresso Nacional em 2020.

“É uma boa pauta, que tem grande apelo. Será um grande debate para poder chegar em um consenso sobre qual modelo de tributação queremos”, afirmou o parlamentar, em resposta em levantamento do Jornal Midiamax sobre as pautas prioritárias para discussão pela bancada federal neste ano. Na avaliação dele, o atual modelo de arrecadação está muito centrado na União, precisando melhorar a distribuição dos recursos entre estados e municípios.

A pauta social é outra área que merece atenção, defende. “Precisamos pautar e aprovar medidas que retomem aquele caminho que trilhamos até março de 2016, que é o caminho da busca pela redução da desigualdade social”, afirma. Para Vander, o Congresso Nacional precisa ainda assumir maior protagonismo no cenário político para que o País volte a crescer.

Petista, ele não avalia como positivo o desempenho da atual gestão. “O governo do Bolsonaro não mostrou ainda nada efetivo em relação à geração de emprego, seguindo a tendência do Temer. Aprovaram reformas (a Trabalhista e a da Previdência) que na verdade só empobrecem mais a população e que não ajudam o Brasil a retomar o crescimento”, critica. 

Projetos

Sobre os projetos para 2020, Vander explica que o foco do mandato não será para novas proposições, mas na continuidade do trabalho para transformar em lei projetos que já estão em tramitação na Casa. Dentre eles, o Projeto de Lei que inclui o gás de cozinha como item da cesta básica, para reduzir seu preço.

Outras propostas de destaque apresentadas pelo gabinete e nais quais o deputado pretende trabalhar pela aprovação são: projeto que determina transparência na definição das tarifas públicas; o de incentivo à piscicultura por meio da redução de impostos sobre as rações utilizadas na criação aquática; e o que prevê incentivos fiscais para empresas que contratarem mães de filhos com até 14 anos. 

Os oito deputados federais e três senadores sul-mato-grossenses que compõem a bancada federal de MS foram questionados sobre as perspectivas para o ano Legislativo e seus posicionamentos serão veiculados conforme forem se pronunciando.

Mais notícias