Lagostas no Supremo são para “bem receber convidados”, diz Kassio Nunes em sabatina

O indicado ao STF responde uma sabatina no senado.

Na Sabatina de Kassio Nunes Marques, o desembargador foi questionado sobre uma decisão no (Supremo Tribunal Federal), onde liberou a compra de bebidas e refeições, e entre elas, lagosta. O magistrado alegou que esse tipo de liberação é para “bem receber os convidados”.

O indicado ao (Supremo Tribunal Federal) foi questionado sobre a lagosta pelo senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), este que teve contato com o processo quando assumiu, provisoriamente, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Para explicar melhor a resposta, Kassio Nunes Marques justificou que a lagosta não era para refeições diárias dos ministros, apenas ocasiões especiais.

“Essa licitação não é para almoço dos ministros, não é para lanches dos ministros”, afirmou o magistrado. “Essa licitação é feita como existe em todas as instituições brasileiras, nos Exército Brasileiro, não posso dizer porque eu não conheço se o também dispõe, para também bem receber convidados ilustres. Foi o que o supremo fez, ela foi inspirada em uma licitação do Ministério das Relações Exteriores.”

O caso da lagosta, foi um gasto previsto em R$ 1,3 milhões e incluía outros luxos, como vinhos importados entre diversas outras coisas. Na época, o valor chegou a ser suspenso por ação movida pela Deputada Federal, Carla Zambeli (-SP). Além dela o Ministério Público e o Tribunal de Contas da União também interviram contra a licitação, mas o luxo foi liberado pelo desembargador.

Lagostas no Supremo são para "bem receber convidados", diz Kassio Nunes em sabatina
Mais notícias