Política

Episódio entre Bolsonaro e Moro demonstra vaidade e amor, avalia Luiz Ovando

*Com Évelin Cáceres Na avaliação do deputado federal Luiz Ovando (PSL), o agora ex-ministro da Justiça e Segurança, Sérgio Moro, age pela vaidade, enquanto o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), por ‘amor à nação brasileira’ Na sexta-feira (24), quando a exoneração de Maurício Valeixo da PF (Polícia Federal) foi publicada no Diário Oficial da União, […]

Mayara Bueno Publicado em 25/04/2020, às 16h13

Deputado federal, Luiz Ovando (PSL). (Divulgação, Câmara dos Deputados)
Deputado federal, Luiz Ovando (PSL). (Divulgação, Câmara dos Deputados) - Deputado federal, Luiz Ovando (PSL). (Divulgação, Câmara dos Deputados)

*Com Évelin Cáceres

Na avaliação do deputado federal Luiz Ovando (PSL), o agora ex-ministro da Justiça e Segurança, Sérgio Moro, age pela vaidade, enquanto o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), por ‘amor à nação brasileira’

Na sexta-feira (24), quando a exoneração de Maurício Valeixo da PF (Polícia Federal) foi publicada no Diário Oficial da União, a reportagem perguntou ao parlamentar sul-mato-grossense e aliado de Bolsonaro, se, a então possibilidade de saída de Moro, prejudicaria o Brasil. “Se ele sentir desconfortável na função é compreensivo o seu pedido de exoneração, se acontecer”, disse.

Logo após, o que se seguiu foi o discurso de Moro que expõe o presidente e o anúncio de sua demissão. O ex-ministro afirmou que Bolsonaro queria como chefe da PF alguém que ele possa ligar e saber sobre relatórios de investigação em andamento. Disse, ainda, que não assinou a demissão de Valeixo, não autorizando sua assinatura que saiu no ato oficial.

Em resposta aos desdobramentos, Luiz Ovando disse neste sábado (25) que a situação ‘confirma a real intenção de ambos’. “Um motivado pela vaidade, o outro pelo amor à nação brasileira. A leitura da mensagem e fala espontânea mostram que disse a verdade”, limitou-se a dizer.

Na tarde de ontem, Bolsonaro fez um pronunciamento no qual falou sobre assuntos diferentes e acusou Moro. Para demonstrar preocupação com dinheiro público, chegou a afirmar que desligou o aquecedor da piscina olímpica do Palácio do Planalto. Depois foi divulgado que a piscina tem aquecedor solar desde 2002. Confira aqui resumo do discurso.

Jornal Midiamax