Deputado do PSL defende bom senso em polêmica sobre ato contra Congresso

Luiz Ovando acredita em 'confusão' em orientação e posicionamento que estariam dividindo ainda mais Planalto e Congresso Nacional

Integrante da base aliada do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o deputado federal sul-mato-grossense Luiz Ovando (PSL) defendeu ‘bom senso’ para que não fique ainda mais estremecida a relação entre os Poderes no País. A fala faz referência ao novo capítulo nos desentendimentos entre Planalto e Congresso Nacional, iniciado com declarações do chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, acusando parlamentares de chantagem para ficar com R$ 30 bilhões do Orçamento.

A situação piorou após suposto compartilhamento de vídeo pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) convocando os amigos para ato contra o STF (Supremo Tribunal Federal) e ao Congresso Nacional. Na avaliação de Ovando, pode estar ocorrendo ‘confusão’ no tipo de orientação e posicionamento de oposição entre os poderes.

“O corpo nacional é formado por Executivo, Legislativo e Judiciário. Atacar um dos segmentos corporais é pôr em risco toda a unidade, portanto, creio que possa estar havendo confusão nesse tipo de orientação e posicionamento. A relação entre os poderes pode ficar estremecida”, ponderou o deputado federal. Apesar do novo capítulo de crise, ele acredita que haverá entendimento. “Nada que bom senso e sensatez não possam restabelecer a harmonia e coerência buscando o equilíbrio corporal nacional”, ponderou.

Aposta no diálogo

Para a deputada federal tucana Rose Modesto (PSDB), esse tipo de desentendimento em nada contribui para a discussão de pautas importantes para o desenvolvimento do País. “Pautas que dependem do Congresso e que são crucias para o Brasil. O momento é de diálogo entre os Poderes e não de ações que tumultuam o ambiente político”, afirmou. Ela disse esperar, ainda, que os presidentes dos Poderes Legislativo e Executivo consigam, por meio do diálogo e da prudência, promover as mudanças que o Brasil precisa.

Mais notícias