De suposto atentado até vereador saindo de partido, confira as principais notícias de política

Confira as repercussões de política partidária que foram destaque no Midiamax durante a semana

A movimentação partidária dos políticos de Mato Grosso do Sul, agitou a semana em Campo Grande e também no interior do Estado, desde o suposto atentado sofrido pelo deputado federal Loester Trutis (PSL) até prefeito trocando socos com morador em Nova Alvorada do Sul. Confira abaixo, as principais notícias da semana. 

Segunda-feira

O vereador de Campo Grande André Salineiro afirmou ao Jornal Midiamax que deixa o PSDB para entrar no DEM. Especulada e tratada como ‘possível’ pelo parlamentar até então, a mudança foi confirmada por ele na segunda-feira (17).

Após o deputado federal Vander Loubet (PT) anunciar que buscaria o PDT para uma possível aliança na campanha majoritária, o partido de Dagoberto Nogueira negou um acordo entre os partidos, pois os projetos são antagônicos, conforme o presidente municipal do PDT em Campo Grande, Yves Drosghic.

Em Campo Grande para cumprir agenda pelo Ministério da Saúde, Henrique Mandetta (DEM) afirmou na segunda-feira (17) que o partido vai se organizar em Campo Grande e não descarta lançar candidato para disputar as eleições deste ano. “Foi solicitado pelo partido para eu organizar o DEM em Campo Grande a partir de hoje. Não temos um candidato ainda, mas é uma possibilidade”, destacou.

Carro foi alvejado com pelo menos 5 tiros.(Reprodução/Facebook)

Depois de ter o veículo atingido por cinco disparos, em suposto ataque ocorrido no domingo (16), o deputado federal Loester Trutis (PSL) usou suas redes sociais, na segunda-feira, para fazer um desabafo no qual diz ser alvo de ‘consórcio’ de inimigos. O deputado chegou a ser alvo de memes nas redes sociais após o caso, que está sob investigação da Polícia Federal, vir à tona. A política disse que o caso tem muitos pontos de interrogação.

O Midiamax Entrevista de segunda-feira recebeu a porta-voz do Rede Sustentabilidade, Tatiana Ujacow. Na oportunidade, ela revelou que o partido vai priorizar a eleição dos vereadores em Mato Grosso do Sul neste ano. Ujacow esclareceu, ainda, sobre alianças e o modo de decidir dentro da sigla.

O secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende (PSDB) contou ter firmado um compromisso com o  governador Reinaldo Azambuja (PSDB) para ficar no cargo até o último ano de mandato e por isso, talvez não dispute a prefeitura de Dourados, distante 233 quilômetros de Campo Grande.

Presidente municipal do PSD e secretário de Governo da prefeitura, Antonio Lacerda (Minamar Junior, Arquivo Midiamax)

Com as eleições de 2020 ficando cada vez mais próximas, começam a aparecer vários nomes para ocuparo cargo de vice-prefeito de Marquinhos Trad (PSD) na campanha eleitoral deste ano, na qual ele buscará a reeleição em Campo Grande. Porém, a escolha do vice deve ficar por último, segundo afirma o presidente municipal do PSD, Antonio Lacerda.

Terça-feira

“Não vou ser escada para homem”, afirmou a vereadora Dharleng Campos (PP) na terça-feira (18) a respeito de eventual migração de partido. Ela afirma que a decisão sobre mudança partidária passará pela discussão sobre viabilidade de candidaturas de mulheres.

Apesar de terem retornado do recesso legislativo no último dia 4 de fevereiro, os deputados da Assembleia

Deputados tiraram até mesmo análise de vetos de pauta na terça-feira. (Luciana Nassar, ALMS)

Legislativa do Mato Grosso do Sul ainda não analisaram propostas deste ano na Casa. Isso porque até terça-feira (18), não estão definidas as indicações para a CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) e a análise de dois vetos foi retirada de pauta. Com isso, a sessão acabou às 10h30.

Ainda sem saber oficialmente que o vereador André Salineiro vai deixar o PSDB, presidente do partido em Campo Grande, João César Mattogrosso, disse na terça-feira (18), na Câmara Municipal ser natural a saída e que novos nomes devem entrar no ninho tucano, em contrapartida.

Vereador Antonio Cruz pretende deixar o PSDB. (Divulgação, Assessoria)

Mas não é só Salineiro que deve mudar de legenda para disputar a reeleição. O PSDB pode perder mais um vereador na Câmara Municipal de Campo Grande. Dr. Antônio Cruz afirma que pretende entrar no PSD, do prefeito Marquinhos Trad, ou “outro partido que esteja alinhado com o presidente da República, Jair Bolsonaro”, disse ele ao Jornal Midiamax.

Prefeito de Nova Alvorada do Sul, cidade distante 120 quilômetros de Campo Grande, Arlei Barbosa (MDB) trocou socos com um adversário, morador da cidade ao ser chamado de ‘cara de pau’ ao chegar na Câmara Municipal nesta terça-feira (18). Em um vídeo divulgado nas redes sociais do prefeito, ele justifica ter precisado ‘defender a sua honra’.

Quarta-feira

Depois de desmarcar convenção municipal publicada em edital, os presidentes estadual e municipal do PP se defenderam dizendo que o partido é um dos mais organizados em Mato Grosso do Sul.

Depois de 15 dias do início da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, a CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) foi formada. A comissão é a principal do Legislativo, já que é por lá que passam todos os projetos de leis apresentados, antes de seguirem para outros grupos técnicos e votação em plenário. Lídio Lopes volta a presidir a Comissão.

A decisão do G11 causou alvoroço e João Henrique Catan (PL) que queria uma vaga na CCJR, saiu do grupo. Ele não estava na reunião de decisão.

Quinta-feira

O DEM de Mato Grosso do Sul já tem 29 pré-candidatos a prefeitos nos municípios e há possibilidade de

Deputado Barbosinha é pré-candidato a prefeito em Dourados. (Luciana Nassar, ALMS)

lançar mais políticos para a disputa eleitoral em outubro deste ano, incluindo Campo Grande. Dos 29, o partido tem 17 prefeitos que vão tentar a reeleição.

Em conferência estadual, a Rede Sustentabilidade definiu o novo Diretório Estadual, Elo Estadual, Conselho de Ética e Conselho Fiscal. A composição da sigla ficou marcada por ser heterogenia em suas indicações e tem como foco este ano aumentar a representatividade nos legislativos municipais.

Sexta-feira

Minoria em uma Câmara Municipal com 27 homens, as vereadoras Cida Amaral (Pros) e Dharleng Campos (PP) relacionam o reduzido número ao descrédito da política e o fato de as mulheres terem sido usadas como ‘escada’ para eleição de homens.

O cenário é ainda pior na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, onde não existe bancada feminina. São 24 homens naquela Casa de Leis.