Com moção de pesar, vereadores lamentam morte de jornalista assassinado na fronteira

O jornalista Léo Veras foi executado na noite da última quarta-feira (12), na própria casa

Durante o plenário da Câmara Municipal de Campo Grande, nesta quinta-feira (13), foi realizada uma moção de pesar à família do Léo Veras, executado na noite da última quarta-feira (12) na própria casa. Próximo ao final das atividades da Câmara, o Eduardo Romero (Rede) prestou condolências aos familiares do .

Segundo as investigações, o morreu com 12 tiros pelas costas, um deles na cabeça. Após desejar forças à esposa de Léo Veras, o comentou que espera “que os autores possam responder pelo crime nas questões legais que regem nosso país”.

A a Dharleng Campos (PP) falou sobre o crime. “Estou triste e chateada, um profissional na atuação do seu trabalho acontecer isso que aconteceu”.

Para ela, a situação é “uma tristeza, um sofrimento sem fim, pois as pessoas estão sendo tratadas como objetos”.  A a lembra que mesmo antes de ser  eleita já tinha um grande respeito pelos profissionais da área da comunicação, em que já atuou como radialista.

Também com histórico de radialista, o Cazuza (PP) comentou que não havia se aprofundado nas notícias sobre o acontecido. “O que eu posso dizer é que vivemos em um livre arbítrio, que a imprensa deve ter  essa liberdade para realizar seus trabalhos. Realmente é uma pena, espero que os responsáveis sejam investigados pela justiça”,  finalizou.

 

Com moção de pesar, vereadores lamentam morte de  jornalista assassinado na fronteira
Mais notícias