Chefe do serviço de informações de Bolsonaro serviu em MS como oficial de informações

Marcelo Costa Câmara é considerado "o cara da inteligência" por outros servidores

O assessor especial do gabinete pessoal do presidente (sem partido), Marcelo Costa Câmara, é conhecido por ser o nome por trás do serviço de informações do presidente. Câmara é ex-capitão do Exército Brasileiro e durante a década de 80 serviu em Mato Grosso do Sul como oficial de informações.

A apuração da antiga função do atual assessor especial foi realizada pela Veja, que entrevistou Câmara nesta sexta-feira (29). De acordo com a revista, ele foi transferido para Nioaque e recebeu a missão de coletar informações sobre a fronteira do estado com países vizinhos.

O assessor foi nomeado ao cargo em 22 de fevereiro de 2019. Na entrevista, Câmara explicou a função atual em duas frases. “O gabinete pessoal trabalha com as coisas do presidente. Se tiver uma demanda, a gente faz um assessoramento, a parte de compliance”.

Um profissional de compliance garante e verifica se as normas estabelecidas em determinada organização estão sendo seguidas. Com sala próxima ao gabinete do presidente , o assessor é conhecido por outros servidores como “o cara da inteligência”.

Recentemente, em vídeo divulgado pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Celso de Mello, Bolsonaro afirmou que não recebe informações dos serviços oficiais de inteligência. “Eu tenho a PF (Polícia Federal) que não me dá informações. Eu tenho as inteligências das Forças Armadas que não tenho informações”, criticou.

Durante o discurso, o presidente chegou a informar que estudava serviços de informações secretas de outros países. “O serviço de informações nosso, todos, são uma vergonha, uma vergonha! Que eu não sou informado!”, ressaltou.

Chefe do serviço de informações de Bolsonaro serviu em MS como oficial de informações
Mais notícias