Política

‘Caso inédito’: defesa de Dharleng vai ao TSE após Delei voltar à Câmara

A defesa da vereadora reeleita de Campo Grande, Dharleng Campos (MDB), vai recorrer ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) após o TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) acolher recurso de Delei Pinheiro (PSD). A decisão força uma retotalização dos votos. Um dos advogados da emedebista, Elton Nasser ressaltou que a defesa respeita a […]

Adriel Mattos Publicado em 16/12/2020, às 12h12 - Atualizado em 17/12/2020, às 09h13

Foto: Izaias Medeiros, Arquivo, Câmara Municipal
Foto: Izaias Medeiros, Arquivo, Câmara Municipal - Foto: Izaias Medeiros, Arquivo, Câmara Municipal

A defesa da vereadora reeleita de Campo Grande, Dharleng Campos (MDB), vai recorrer ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) após o TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) acolher recurso de Delei Pinheiro (PSD). A decisão força uma retotalização dos votos.

Um dos advogados da emedebista, Elton Nasser ressaltou que a defesa respeita a decisão da corte sul-mato-grossense, mas vão apresentar recurso. “Com todo o respeito ao TRE, vamos interpor recurso por entender que persistem os motivos do indeferimento do Delei”, afirmou.

“É um caso inédito. Nunca houve um candidato que foi eleito sem ter feito a biometria”, frisou. Nasser e os demais advogados de Dharleng devem apresentar o recurso ainda nesta semana.

Acórdão

O acórdão do julgamento foi publicado logo após a sua conclusão, na manhã de hoje. Delei teve seu registro de candidatura indeferido em primeira instância, por não ter feito o recadastramento biométrico.

Como o TSE suspendeu a exigência da biometria nestas eleições devido à pandemia de Covid-19, a defesa do vereador eleito recorreu ao TRE, mas um primeiro recurso foi negado.

Delei apresentou embargos à decisão na sequência. Ameaçada de perder sua cadeira, Dharleng Campos (MDB), reeleita com o menor número de votos neste pleito, ingressou na ação como terceira interessada.

A princípio, a PRE (Procuradoria Regional Eleitoral) se manifestou contra esse segundo recurso. Mas após a reabertura do cadastro eleitoral, o vereador eleito fez o recadastramento biométrico e a PRE opinou que seu registro deveria ser deferido.

Assim, no primeiro dia de julgamento, o TRE formou maioria para derrubar a impugnação. Hoje, o último voto foi dado, formando uma unanimidade.

O Jornal Midiamax procurou o TRE para saber como fica a diplomação, marcada para a noite de hoje, mas não obteve resposta. 

Dharleng seria diplomada, mas com a mudança, pode ficar fora da Câmara em 2021. A retotalização deve ocorrer nas próximas horas, já que o prazo legal para o procedimento termina na sexta-feira (18).

Jornal Midiamax