Candidatos a prefeito de Maracaju perdem patrimônio, mas fortuna dos vices soma quase R$ 100 milhões

Vice de Calderan (PSDB), Maurão (DEM) tem a maior quantia em bens declarados - mais de R$ 81,6 milhões

A declaração de bens feita por candidatos a prefeitura de Maracaju, a cerca de 140 km de Campo Grande, revela que a crise afetou o patrimônio de boa parte dos prefeitáveis. Mas, nada se compara ao patrimônio declarado por um dos candidatos a vice, que chega a mais de R$ 81,6 milhões em bens e aplicações. Somados, os bens dos candidatos nesta categoria se aproxima dos R$ 100 milhões.

Com declaração de R$ 15 mil ao TRE-MS (Tribunal Regional de ), o candidato Amauri Mazzucatto (PSC) foi um dos que perdeu renda – em 2016, quando saiu candidato a vereador, Mazzucatto declarou R$ 215 mil em bens, o que revela redução de cerca de 93% em quatro anos. Seu vice na chapa atual, Paulo Ricardo Peruzatto (PSC), estreia seu nome nas urnas e declarou não ser possuidor de bens.

Na chapa pura do MDB, formada por estreantes nas urnas, Lenilso Carvalho encabeça a chapa com declaração de R$ 523,3 mil. Sua vice, Dra. Lidiane Manaretto, declarou R$ 691,6 mil. Por serem estreantes, não é possível comparar a evolução patrimonial com base nos dados informados ao TRE-MS.

Já a coligação do com o em Maracaju – também de estreantes – é de milionários: Marcos Calderan () e o vice Mauro “Maurão” Christianini () possuem as maiores quantias em bens declarados entre os prefeitáveis. O cabeça de chapa, Calderan, declarou R$ 3.287.372,25 ao TRE-MS, enquanto seu vice, Maurão, declarou fortuna de R$ 81.643.034,43.

Na chapa do , o candidato a prefeito Professor Jeamilton Barbosa declarou R$ 550 mil em bens e dinheiro – o que revela uma evolução de aproximadamente 244% em 8 anos: em 2012, quando saiu candidato a vereador, Barbosa declarou R$ 160 mil em bens. Já sua vice, Eliane Simões, entra no time dos milionários, com R$ 11.933.693,01 na declaração de bens – na última declaração de bens, quando Eliane foi eleita vereadora, ela declarou R$ 5,685 milhões em bens, uma evolução de 109% em quatro anos.

O partido Democracia Cristã (DC), também com chapa pura, é composto por candidatos que “empobreceram”. Candidato a prefeito, Reginaldo Fotógrafo declarou R$ 166,9 mil em 2020, contra os R$ 199,6 mil declarados em 2016, quando saiu candidato a vereador. Seu vice Viko Motos (Ramão Ludovico Domingues) declarou R$ 250 mil neste ano. Em 2012, quando tentou ser vereador, ele possuía R$ 605,5 mil, uma perda de aproximadamente 58,7% em oito anos.

Com pouco mais de um milhão de reais (R$1.011.656,17), o candidato a prefeito pelo Thiago Caminha finaliza a lista de prefeitáveis com evolução patrimonial, comparando os dados informados por ele ao TRE-MS em 2012, quando foi vereador de Maracaju: na ocasião, o patrimônio declarado foi de R$ 103,5 mil, o que representa evolução de cerca de 881% em oito anos. Sua candidata a vice, Dra. Teliane (Bisognin) estreia nas urnas com declaração de R$ 760,5 mil (alterada às 10h34 para correção e acréscimo de informação).

Candidatos a prefeito de Maracaju perdem patrimônio, mas fortuna dos vices soma quase R$ 100 milhões
Mais notícias