Campanha eleitoral começa neste domingo; candidatos podem pedir voto e fazer propaganda

14 candidatos concorrerão às eleições 2020; programa gratuito de TV e rádio ainda não está permitido

A campanha eleitoral de 2020 começa neste domingo (27), quando os candidatos a prefeito e vereador podem oficialmente fazer campanha e pedir voto aos eleitores. Por causa da pandemia, a votação foi transferida de outubro para 15 de novembro e, onde houver segundo turno, 29 do mesmo mês.

Campo Grande tem 14 candidatos a prefeito e 769 que vão tentar uma das 29 vagas na Câmara Municipal. A partir de hoje, está permitida propaganda eleitoral, inclusive na internet, de acordo com calendário eleitoral do (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul).

Até 14 de novembro de 2020, os candidatos, partidos e coligações podem funcionar das 8 às 22 horas; alto-falantes ou amplificadores de som, também estão liberados. Comícios, aparelhagem de sonorização fixa, das 8 às 24 horas, podendo o horário ser prorrogado por mais duas horas quando for comício de encerramento de campanha. Neste caso, a permissão vale até 12 de novembro.

A partir deste domingo, materiais gráficos, caminhadas, carreatas e passeatas, com ou sem som, estão autorizados e podem ser feitos até 14 de novembro. Até um dia antes, os políticos poderão divulgar de forma paga, na imprensa escrita, e reprodução na internet do jornal impresso, até 10 anúncios de propaganda eleitoral, por veículo, em datas diversas.

Ainda de acordo com a regra eleitoral, o período permite serviços telefônicos, oficiais ou concedidos, nos diretórios. Já a propaganda gratuita em emissoras de televisão e rádio só poderá ser feita a partir de 9 de outubro, até 12 de novembro.

Os candidatos, até então, podiam fazer manifestações políticas, mas pedidos de votos estavam proibidos. Em suas redes sociais, muitos deles anunciaram lives e até agenda presencial para este domingo, eventos os quais servirão para iniciar a caminhada eleitoral.

 

 

Campanha eleitoral começa neste domingo; candidatos podem pedir voto e fazer propaganda
Mais notícias