Vereadora acusada de chefiar narcotráfico perde mandato e cargo na prefeitura

A perda de mandato e a exoneração são decorrentes do trânsito em julgado da condenação por crime ocorrido em 2013.

Presa em operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) suspeita de chefiar organização voltada ao tráfico de drogas, a vereadora Marisa Rocha teve o mandato cassado pela Câmara em sessão nesta terça-feira (7) e foi exonerada do cargo de secretária municipal de Esporte, Juventude e Lazer.

A perda de mandato e a exoneração são decorrentes do trânsito em julgado da condenação por crime ocorrido em 2013, quando foram encontrados quase 200 quilos de maconha em sua propriedade. Presa desde o dia 6 de março, ela estava licenciada do cargo de vereadora e afastada da secretaria.

Em sessão na Câmara nesta manhã, a perda do mandato foi decidida com base na Lei Orgânica, após comunicação da 1ª Vara do Juizado Especial Cível e Criminal. O advogado da vereadora, Tiago Vinícius Martinho, ainda tentou aumentar o prazo da defesa, mas a Câmara optou por empossar o vereador Celso Yamaguti como titular à vaga da coligação.

Vereadores destacaram que a sessão não tratou de cassação, mas de perda de mandato. Conforme a Câmara, amigos e familiares de Marisa acompanharam a sessão em apoio à sua permanência.

Exoneração

Na tarde desta terça-feira (7), a prefeitura de Três Lagoas emitiu nota sobre a exoneração de Marisa da secretaria de esportes. Ela estava afastada do cargo desde março deste ano, quando foi presa.

Segundo a prefeitura, a exoneração ocorreu por recomendação do procurador-jurídico do município com base na Lei Municipal 2.688, de 26 de março de 2013 “uma vez que a condenação do fato ocorrido em 2013 transitou em julgado, não havendo mais possibilidade de recurso”. O decreto de exoneração deverá ser publicado em diário oficial na quarta-feira (8).

Mais notícias