Vereador enrolado com a Justiça falta na própria posse por ‘precaução’

Caso aconteceu em Dourados e envolve o vereador Pedro Pepa, além de Cirilo Ramão, que chegou atraso e assinou o termo de posse

O vereador Pedro Pepa (DEM), de Dourados, preferiu não comparecer a própria posse na Câmara Municipal da maior cidade do interior de Mato Grosso do Sul para evitar se encontrar com outro vereador, Cirilo Ramão (MDB), que também tomou posse nesta segunda-feira (23). As sessões em Dourados acontecem à noite.

No início, nenhum dos dois compareceu ao plenário. O termo de posse foi lido na Casa normalmente e, de repente, Cirilo apareceu para assinar. Contudo, Pepa não foi ao local, já que existe a hipótese de descumprir medida judicial – anterior a soltura da dupla – ao ficar no mesmo lugar que Cirilo.

Pepa e Cirilo foram presos e afastados da Câmara pela primeira vez em dezembro de 2018 durante a Operação Cifra Negra onde foram acusados de corrupção. Porém, o afastamento foi derrubado pelo presidente do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), desembargador Paschoal Carmello, e a dupla foi empossada novamente em agosto.

Entretanto, os dois foram novamente afastados e presos por decisão do judicial em que apontava descumprimento de medidas impostas anteriormente. Eles conseguiram habeas corpus e foram liberados, mas só no dia 19 é que o retorno à Câmara foi decidido.

Por precaução, os dois seguem sem se encontrar para evitar descumprimento da medida anterior, já que a nova decisão, que permite a atividade parlamentar dos dois não teve os acórdãos ainda publicados pela Justiça Estadual. O advogado de Cirilo e Pepa, Fernando Baraúna, também está na Câmara nesta noite.

Mais notícias