Urnas quebraram dogmas e deram recado aos políticos em 2018, diz ministro do TSE

Tarcísio Vieira participa nesta noite de segunda-feira (16) da aula inaugural de curso de pós-graduação em Campo Grande

Para o ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Tarcísio Vieira, o resultado das eleições de 2018 deixaram um “recado” para os políticos do país e quebraram “dogmas” que regiam a política e, assim também, o direito eleitoral. Ele fez essa afirmação ao Jornal Midiamax nesta segunda-feira (16) em visita a Campo Grande.

Tarcísio participa nesta noite da aula inaugural do curso de pós-graduação em Direito Eleitoral da Faculdade Insted e conversou com a imprensa antes do ir ao curso, falando sobre o cenário atual da política e a opinião dele sobre a situação.

“Do nosso privilegiado ponto de observação, da Justiça Eleitoral, algumas mudanças recentes são significativas. O ano de 2018 podem ser considero as mais disruptivo da história republicana. Alguns dogmas foram erradicados”, frisa o ministro.

Na visão de Vieira, questão como a eleição de candidatos com mais dinheiro para a campanha, maior tempo de televisão e um partido político mais forte e tradicional foram quebradas nas últimas eleições, se referindo a onda bolsonarista.

“Tudo isso se viu questionado [os dogmas até então vigentes na política] e as urnas deram recado um recado para comunidade política, que ao meu sentir, deve receber esse recado com a máxima humildade”, completa Tarcísio.

Além disso, o ministro acredita que o panorama deve prosseguir para 2020, nas eleições municipais, e diz que o TSE já se prepara para tal. “Nós da Justiça Eleitoral ainda estamos pesquisando alguns achados de 2018 para projetar nossa consciência e ações para o ano que vem, que deve seguir uma lógica parecida a do ano passado”, conclui.

Debate proveitoso

Acreditando que o direito eleitoral brasileiro é um campo do direito que não é tão mutável como outros em “termos de significância maior”, Vieira indica que ainda vê a legislação eleitoral com lacunas a serem preenchidas e por isso a realização de debates e estudos sobre a questão, no ambiente acadêmico, são importantes.

“Temos que falar da natureza dos partidos políticos, tecer juízo crítico sobre falta de democracia interna, falar do financiamento eleitoral, acessar temas contemporâneos como a questão das ações afirmativas no meio eleitoral, com destaque à implementação da participação feminina na política”, diz Tarcísio, acrescentando.

“Ainda precisamos trabalhar a questão das fake news. Tudo isso é um temário um pouco ambicioso, mas a ideia é levantar essas inquietações que estão em debate em torno da política e do próprio TSE”, explica Tarcísio Vieira sobre sua palestra.

Mais notícias