Publicidade

‘Seria o meu’: De Paula antecipa nome de consenso para diretório do PSDB

Terceira via para apaziguar disputa interna do PSDB deve ser confirmada em reunião na segunda-feira (22).

Secretário Especial de Articulação Política, Sérgio de Paula antecipou ao Jornal Midiamax que deverá ser o próximo presidente regional do PSDB em Mato Grosso do Sul. Ele irá participar de reunião com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e os deputados federais Rose Modesto (PSDB) e Beto Pereira (PSDB), marcada para a próxima segunda-feira (22).

De Paula contou que esteve em Brasília (DF), na semana passada, onde almoçou com os deputados federais e eles chegaram ‘numa fórmula’. Na escolha da terceira via, foram cogitados os nomes do governador, de Sérgio e do secretário de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel. A escolha não seria feita fora dessa tríade, explicou.

Mas Reinaldo já anunciou que não tem pretensão de comandar a legenda. Segundo De Paula, o nome de Riedel que havia sido cogitado acabou não sendo opção pela dificuldade de conduzir a legenda em uma eleição municipal conciliando às atividades da Segov. “Surgiu entre os dois [Rose e Beto] um nome de consenso que seria o meu nome junto ao governador”, antecipou.

Com esse entendimento, devem ser apaziguados os ânimos no ninho tucano, que estaria sendo dividido por conta da disputa entre os deputados federais. “O partido nesse momento não merece uma disputa”, pontuou.

O secretário destacou ter uma ligação forte com os pretendentes ao cargo, que ele define como “novas lideranças no partido”. Segundo o governador, a terceira via que encerraria a disputa pelo diretório inclusive teria de partir de Beto e Rose.

Próximo passo

De Paula adiantou que pretende procurar as lideranças para tratar das articulações “para atender o novo diretório e a nova comissão executiva, se confirmada a indicação de seu nome. Ele informou que as conversas sobre o entendimento vêm sendo feitas há mais de 60 dias. “Nós vamos buscar esse entendimento, fortalece o partido, as bases”, adiantou.

Segundo ele, a escolha de seu nome seria um processo natural pelo conhecimento das bases e do trabalho feito pelo PSDB. Ele também disse ficar agradecido com as declarações do deputado Marçal Filho de que seria a liderança que mais atua em prol da legenda. “A gente vem construindo o partido há 20 anos, conhece as bases. Eu sou candidato se for dentro de um consenso partidário”, finalizou.

Mais notícias