Se fecha escola, abre presídio, dizem vereadores sobre decisão do Governo Estadual

Parlamentares se revoltaram com medida que já fechou 8 escolas

Os vereadores de Campo Grande aprovaram nesta quinta-feira (21) requerimento para convocar a Secretária Estadual de Educação Maria Cecília Amêndola da Motta para explicar aos parlamentares sobre o fechamento de sete escolas em Mato Grosso do Sul. Na tribuna, Valdir Gomes (PP) criticou a medida e afirmou que ‘quando se fecha uma escola, é preciso abrir mais presídios”.

A Câmara recebeu nesta quinta alunos e professores da Escola Estadual Professor Carlos Henrique Schrader, do Jardim Flamboyant, que afirmaram que podem até mesmo dormir na unidade em protesto. “Se precisar, eu vou dormir na escola também. Não pode fazer isso com os alunos”, disse Gomes.

 

Betinho (Republicanos) afirmou que fechar escolas é crime. “Não estão levando em consideração a importância da unidade para a região”. Otávio Trad (PTB) disse que é uma perda muito grande para a comunidade. “É uma perda para a  cultura também. A gente vê uma comunidade indígena inteira engajada e é preciso avaliar”.

Professora, Dharleng Campos (PP) diz ficar com o ‘coração arrebentado’ com os fechamentos. “Países em desenvolvimento abrem escolas, não fecham. Isso é informação equivocada da secretária e da sua equipe”. A parlamentar pediu também apoio dos deputados para a causa. “Eles precisam abraçar essa reivindicação para não deixar essa vergonha, essa tristeza, ir adiante”. 

Dr Loester (MDB) repetiu a frase de Gomes e questionou se a intenção do governo seria construir mais presídios, fechando escolas. Papy (SD) disse que nunca recebeu tanto pedido de apoio como para esta causa. “Isso só mostra o tamanho do erro em fechar essa unidade, que é muito querida e muito importante para a região”.

A Câmara vai fazer o requerimento para convocar a secretária, com prazo para resposta de até a próxima terça-feira (26).

 

 

Mais notícias