Reinaldo admite perda de R$ 700 milhões com gás e orçamento ‘conservador’ em 2020

LOA foi enviada ontem à ALMS e passará pelo crivo dos deputados estaduais em breve

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) considera que a previsão orçamentária do Estado para 2020, na marca dos R$ 15,8 bilhões, é extremamente conservadora e foi feita em cima da previsão de que as receitas cresçam em até 5% no próximo ano. Apesar disso, ele reclama da perda de R$ 700 mil com o ICMS do gás.

A afirmação foi feita no lançamento do Festival América do Sul, nesta quarta-feira (16). “Acho essa previsão possível de ser realizada e cumprida no ano que vem. Mas essa peça orçamentária é apenas previsão, não é realização. Achamos que haverá um crescimento de 5% em comparação ao ano anterior”, destaca Reinaldo, que completa.

“Existe a previsão que a economia volte a girar um pouco mais e com isso as receitas crescerem nesse percentual de até 5%. Mas essa peça é extremamente conservadora diante do momento extremamente difícil que passamos”, conclui o governador.

Azambuja indica que um dos motivos para que o Estado passe por dificuldades é a perda do ICMS do Gás Natural, que deve representar menos R$ 700 milhões em caixa. “Nos faz ter uma cautela enorme para achar meios alternativos para suprir essa deficiência do gás com outras receitas possíveis”, completa.

O projeto orçamentário da LOA (Lei Orçamentária Anual) de 2020 foi encaminhada na terça-feira (15) para a ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul), com arrecadação prevendo R$ 7,5 bilhões apenas de impostos e taxas. Em 2019, a previsão da LOA aprovada pelos deputados foi de R$ 15 bilhões.

Mais notícias