Para vereadores, projeto iniciará solução para obras abandonadas do Centro

Eles apoiam projeto anunciado pela prefeitura de transformar hotel em moradias populares

Em meio às diferentes opiniões sobre projeto anunciado pela prefeitura de comprar e reformar o Hotel Campo Grande, no Centro, para transformar em moradias populares, vereadores apostam na obra como o início da solução para prédios abandonados na região central.

“Esse deverá ser só o princípio para dar encaminhamento a essas obras abandonadas no Centro”, afirmou Chiquinho Telles (PSD), comemorando a proposta da administração. Segundo ele, é preciso dar destino às muitas obras abandonadas na região. Além disso, o vereador avalia a necessidade de presença humana constante no Centro, não somente pela população que sai dos bairros diariamente.

Para o vereador Odilon Júnior (PDT), a acomodação de famílias ‘vai ser uma oportunidade pra povoar o centro e dar uma vida noturna pra ele’. “Aquele imóvel estava empacado ali há quantos anos?”, questionou, completando que mais do que uma questão de moradias, a proposta poderá desenvolver o Centro.

Na avaliação de Júnior Longo (PSB), é preciso otimizar a utilização da infraestrutura já existente no Centro levando a população para viver lá. “Isso ajuda resgatar centro da nossa cidade. Fora que precisamos diminuir o déficit habitacional”, afirmou, ressaltando que é preciso ver o valor de comercialização do prédio para ‘saber se o recurso está sendo bem empregado’.

“Entendo que ajudará a fomentar o comércio, o empreendedorismo, trazendo as pessoas para circularem na região, inclusive intensificando o movimento aos fins de semana”, ponderou Cazuza (PP), dizendo não ver problemas caso a alternativa forneça segurança e as estruturas necessárias para os possíveis moradores.

Prédio para serviços públicos

Ayrton Araújo (PT) avaliou como apertado o tamanho das futuras moradias e demonstrou preocupação com o sistema elétrico, encanamento de água e as melhorias que precisarão ser feitas no local. “Tem que rever toda a estrutura desse prédio pra colocar pessoas dentro dele”, disse.

Mesmo assim, ele elogiou equipe técnica do prefeito e as obras que têm sido feitas na Capital. “Ele [Marquinhos Trad] pode até estar acertando sim, porque até agora ele vem acertando, mas eu acredito que se falar em R$ 38 milhões daria pra construir casa sim fora do Centro”, ressaltou. Na avaliação dele, melhor opção seria comprar e reformar o hotel para que ele abrigasse serviços públicos e evitasse o pagamento de aluguel pela administração.

 

Mais notícias