Publicidade

Com alvo preso, Gaeco cumpre novo mandado de prisão em penitenciária

Aliados da prefeita Délia Razuk estão entre alvos

Um dos cinco alvos da 3ª fase da Operação Pregão, deflagrada nesta quinta-feira (14), o ex-chefe de licitações da prefeitura de Dourados, Anilton Garcia teve novo mandado de prisão cumprido nas dependências da PED (Penitenciária Estadual de Dourados), onde está detido desde outubro passado, quando as investigações vieram à tona.

Anilton havia sido beneficiado por um habeas corpus concedido pelo TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) na última quarta-feira (13), mas foi surpreendido por nova ordem de prisão, cumprida por agentes do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) nas primeiras horas desta manhã.

A nova fase das investigações atinge em cheio a cúpula do executivo municipal da segunda maior cidade do estado, chefiada pela prefeita Délia Razuk (PR). Além de Anilton, seu então braço direito na administração municipal, João fava Neto, e o tesoureiro da prefeitura, Jorge Rodrigues de Castro, também estão entre os alvos.

A promotoria tenta desmantelar suposta organização criminosa – composta por agentes públicos, políticos e empresários – voltada a prática de diversos crimes, especialmente fraude em licitação, falsificação de documentos e advocacia administrativa.

Ao todo, são cumpridos, além dos cinco mandados de prisão, oito de busca e apreensão, segundo apurado pelo Dourados News. Os endereços e nomes dos demais alvos ainda não foram divulgados, mas o que se sabe até o momento é que entre eles está um casal de empresários.

Jorge Rodrigues de Castro e o casal de empresários, ainda segundo o Dourados News, foi encaminhado ao edifício do MP-MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) na cidade. Os crimes, conforme a investigação, foram supostamente praticados durante a atual gestão municipal.

Os mandados nesta nova fase foram expedidos pelo juiz Luiz Alberto de Moura Filho, da 1ª Vara Criminal de Dourados.

Fases anteriores

Nas demais fases da Operação Pregão, outros membros da administração municipal, inclusive a ex-secretária de Educação e vereadora, Denize Portolann, correligionária de Délia. Denize foi afastada do cargo, por determinação da Justiça e, inclusive, acabou multada depois de tentar retomar o mandato, mesmo presa.

Ela é alvo de processo de cassação na Câmara Municipal e pode acabar perdendo o mandado para a suplente, vereadora em exercício Lia Nogueira (PR). Alvo da primeira fase da operação, ao lado de Fava Neto, Denize está detida no presídio feminino de Rio Brilhante desde outubro.

Na segunda fase, os alvos foram o ex-contador da prefeitura, Rosenildo França, e sua esposa, Andreia Carla Elbing. A denúncia aponta que os investigados teriam enriquecido ilicitamente por meio do recebimento de alguns ‘mimos’, como Jeep Renegade e até cirurgia plástica, conforme a denúncia ofertada pelos promotores Ricardo Rotunno e Etéocles Brito Mendonça Dias Junior.

Mais notícias