Na Assembleia, deputados recebem diretores da Energisa para explicarem aumentos

Enquanto isso, Câmara de Campo Grande instaurou CPI contra Energisa nesta terça-feira

Na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, quatro diretores da Energisa se reúnem na Presidência nesta terça-feira (29) com os deputados para explicarem o aumento nas contas de energia no Estado. Na semana passada, o deputado estadual Coronel David (PSL) fez requerimento pedindo a presença da empresa para explicações antes de avaliar se a Casa vai instaurar uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) contra a concessionária do serviço.

O correligionário, deputado estadual Capitão Contar (PSL), apresentou pedido para abertura de investigação contra a empresa. Na Casa, são necessárias oito assinaturas, um terço dos parlamentares, para que a Comissão seja instaurada. Até o momento, seis deputados assinaram o pedido.

A reunião acontece desde cedo, antes da sessão da Assembleia. Os deputados devem decidir após o encontro se investigam ou não a concessionária. Segundo a maioria dos paramentares, que não aderiu ao pedido, faltaria um fato determinado para que a Energisa seja investigada.

Nesta terça, o vereador Vinicius Siqueira (DEM) apresentou pedido de abertura da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Energisa na Câmara Municipal de Campo Grande e já tem as dez assinaturas, mínimo necessário, para a abertura das investigações no Legislativo.

Assinaram o pedido o propositor, Vinícius Siqueira, Ayrton Araújo (PT), Dharleng Campos (PP), Wilson Sami (MDB),  Dr. Loester (MDB), Gilmar da Cruz (PRB), Waldir Gomes (PP), Veterinário Francisco (PSB), Enfermeiro Fritz (PSD) e Betinho (Republicanos). Após o pedido, também assinaram os vereadores Enfermeira Cida (Pros), André Salineiro (PSDB) e Chiquinho Telles (PSD).

CPI da Energisa

Contar defendeu o pedido de abertura afirmando que a CPI tem fundamento na reclamação de mais de 2 mil usuários no Procon sobre o suposto aumento abusivo das contas de energia. “Fui a duas audiências da Energisa neste ano e a única coisa que eles fizeram foi mostrar a composição tarifária. Não explicaram o aumento”, argumentou.

Já assinaram ao pedido os deputados Antônio Vaz (Republicanos), Evander Vendramini (PP), Lucas de Lima (SD), Neno Razuk (PTB), João Henrique (PL) e o proponente, deputado Capitão Contar.

A Assembleia já instaurou uma CPI da Enersul/Energisa em 2015, que acabou suspensa. Os deputados tentaram destravar as investigações com um recurso na Justiça Estadual, mas ele foi negado pelo órgão especial do Tribunal de Justiça.

À época, a CPI foi criada para investigar supostas irregularidades na gestão financeira da concessionária do serviço de distribuição de energia elétrica em Mato Grosso do Sul. Um dos argumentos utilizados pela empresa é que ela não poderia ser investigada por fatos ocorridos na administração anterior da concessionária, que foi vendida,a  antiga Enersul.

 

Mais notícias