Moro apresenta projeto de lei anticrime ao secretário de Segurança de MS

Medidas vão incluir propostas de combate à corrupção e ao crime organizado

Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

O secretário de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul, Antonio Carlos Videira, participa nesta segunda-feira (04), às 9h30, em Brasília, de um encontro com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, que tem como principal pauta a apresentação do projeto de lei anticrime a secretários e governadores.

As medidas vão incluir propostas de combate à corrupção, ao crime organizado e aos crimes violentos. O texto será enviado ao Congresso nos próximos dias para análise dos parlamentares e faz parte das metas prioritárias dos cem primeiros dias de trabalho do governo federal.

Nas redes sociais, Moro detalhou que a proposta considera que o crime organizado alimenta a corrupção e o tráfico de drogas e assim simultaneamente. “É um projeto simples e com impacto para enfrentar esses três problemas”, ressaltou o ministro.

Secretário Estadual de Segurança Pública, Carlos Videira | Foto: Marcos Ermínio/Jornal Midiamax

De acordo com o Executivo estadual, Videira aproveitará a oportunidade para reforçar uma solicitação antiga feita pelo Governo do Estado, relacionada à elaboração de medidas com objetivo de dar celeridade à venda dos bens móveis, mas principalmente os imóveis, que são apreendidos de traficantes de drogas, por meio de leilões.

“Nós queremos agilidade, pois muitos desses bens custam um absurdo a sua manutenção para a União, além daqueles que estão sendo explorados por terceiros, como as propriedades rurais. Em Mato Grosso do Sul, por exemplo, temos fazendas apreendidas que valem milhões, mas que estão há décadas em mãos de terceiros sendo exploradas, e que não vão a leilão”, relata o secretário de Segurança.

Para Antonio Carlos Videira, essa iniciativa se colocada em prática pode gerar recursos que deverão ajudar os estados, principalmente aqueles localizados na fronteira, que trabalham diuturnamente no combate ao tráfico de drogas, mas não recebem compensações na mesma proporção.

Mato Grosso do Sul está entre as unidades da Federação que mais apreendem drogas no Brasil. Ao longo de 2018 foram cerca de 350 toneladas de entorpecentes tirados de circulação.

Mais notícias