MDB garante candidatura própria e não descarta receber nome de outro partido

Membros do partido se reuniram nesta noite para começar a deliberar as primeiras decisões emedebista para 2020

O diretório do MDB se reuniu nesta noite de quarta-feira (18) em Campo Grande para inicial oficialmente as discussões sobre as candidaturas do partido na Capital em 2020. Além de garantir candidatura própria para prefeito na cidade, a sigla também deixou em aberto o nome a ser escolhido, não descartando nomes ainda não filiados.

Entre as várias lideranças presentes, esteve o ex-governador André Puccinelli, o vereador Wilson Sami e o deputado estadual Márcio Fernandes. “Até o final deste ano anunciaremos quem será o candidato ou a candidata pelo MDB no município Campo Grande”, destaca Puccinelli, principal líder emedebista.

Além disso, o presidente regional da legenda fez suspense ao falar sobre os possíveis nomes do partido. “Alguns estão na reunião e alguns em Brasília”, dispara, saindo em seguida para outro compromisso. André, que saiu antes do fim do encontro desta noite, já disse que não vai se candidatar em 2020.

Ex-governador André Puccinelli (Leonardo de França, Midiamax)

“Eu me coloquei a disposição do partido, estou no meu quarto mandato e sempre tive votação muito boa aqui. Se for necessário e for convocado estou pronto para atender meu companheiros. Mas hoje foi só reunião do diretório municipal e ficou definido a candidatura própria”, explica o deputado estadual Marcio Fernandes.

Nome de fora e Waldemir Moka

Já o presidente municipal do MDB, Ulisses Rocha, não descarta que o candidato a ser colocado pelo partido ainda nem esteja filiado. Recentemente, alguns nomes foram sondados pela legenda, entre eles a deputada federal Rose Modesto (PSDB), que disputou as eleições em 2016, e o procurador estadual Sérgio Harfouche.

“Esse nome pode vir de fora do partido, pode vir. Nós não fechamos as portas para ninguém. Nós discutimos política com as pessoas e de repente pode ser que tenha alguém que tenha um projeto que seja convergente com nosso projeto”, explica Rocha, confirmando que já houve conversas com nomes de outros partidos.

Além de Fernandes, outro emedebista que colocou o nome a disposição do partido para concorrer às eleições do ano que vem foi o ex-senador Waldemir Moka, confirma Ulisses. “Moka é um nome forte do partido, sempre foi filiado ao MDB, deputado federal, senador. Ele já conversou com o André e sinalizou que eventualmente pode disputar”.

Mais notícias