Marun rompe com prefeitos que deixaram o MDB em Mato Grosso do Sul

Por meio de nota, ex-ministro disse não se conformar com prefeitos que buscam campos ideológicos mais rentáveis

O ex-ministro de Governo e conselheiro da Itaipu, Carlos Marun (MDB) rompeu politicamente com os prefeitos que debandaram do partido, por meio de nota divulgada à imprensa nesta quarta-feira (2). Em três anos, o MDB perdeu seis dos 17 prefeitos eleitos em Mato Grosso do Sul, para o DEM.

Segundo a nota, Marun diz não se conformar com a debandada de prefeitos do MDB. “Aprendi na minha vida que político pode até perder eleição, mas não pode perder a vergonha. Não consigo me conformar com esta debandada de prefeitos do nosso partido em busca de campos ideológicos mais rentáveis”.

Ainda conforme a nota, o ex-ministro diz ter decidido declarar unilateralmente o seu rompimento político com todos “estes que nos últimos tempos nos deixaram”. “Eles não perdem nada, já que não sou mais ministro, e eu não perco meu tempo tratando com que não vê a lealdade como um princípio em sua vida”.

Seis prefeitos do MDB deixaram a legenda e se filiaram ao DEM este ano, em busca da reeleição em 2020. A reportagem do Midiamax conversou com o presidente do partido municipal de Campo Grande, Ulisses Rocha, no dia da convenção da sigla, realizada no último sábado (28). 

Na ocasião, Rocha admitiu uma pressão por parte do DEM, para desfiliação dos prefeitos. ““Ficam constrangido em não ir. Mas isso é do jogo. O MDB ocupava o Governo do Estado, os prefeitos queriam vir para o MDB ficar perto do governador, é jogo de poder ocupando espaço”.

Migraram para o DEM este ano, os prefeitos das cidades de: Antônio João, Batayporã, Deodápolis, Paraíso das Águas, Ribas do Rio Pardo e Sonora.

Mais notícias