Governador pedirá a ministro que inclua ferrovia Oeste em Programa de Investimentos

Reinaldo Azambuja tem encontro agendado com ministro da Infraestrutura para junho

O govenador Reinaldo Azambuja (PSDB) irá pedir ao ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, durante agenda que ocorrerá no mês de junho, que a ferrovia Oeste seja incluída na PPI (Programa de Parceria de Investimentos).

O encontro está pré-agendado para acontecer no dia 11 de junho, em Brasília (DF). “Vamos busca na agenda com o ministro Tarcísio a inclusão da ferrovia Oeste na PPI (Programa de Parceria de Investimentos), vislumbrando a realização posterior da Transamericana”, declarou o governador, por meio de sua assessoria.

Nesta quarta-feira (29) Reinaldo participou de reuniões em São Paulo com empresários do setor, acompanhado dos secretários Eduardo Riedel, da Segov (Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica), e Jaime Verruck da Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

A comissão se encontrou com o CEO da empresa Rumo Logística, Júlio Fontana, e discutiu estratégia para efetivar o plano da ferrovia que vai unir os oceanos Atlântico e Pacífico.

“A reunião foi um passo importante porque o Júlio é o CEO do projeto da Transamericana e hoje eu vi nele um grande otimismo, conseguimos enxergar mais de perto a realização da revitalização deste modal que passa por Mato Grosso do Sul”, declarou Reinaldo.

Ainda conforme o governador, a integração do Brasil com a Bolívia, Peru, Argentina e Chile por meio da estrada pode ocorrer em breve. “Conseguimos avançar no que se refere a efetivação do projeto porque temos hoje uma organização, houve o cuidado de um planejamento e vejo que nos próximos meses teremos boas notícias”.

Transamericana

O projeto da ferrovia Transamericana vai interligar os oceanos e agregar valores econômicos e de desenvolvimento para os cinco países. A malha, segundo o governador Reinaldo Azambuja, é de extrema importância também para os Estado de São Paulo, pois o projeto inicia no Porto de Santos e vai até os portos do Pacífico, tanto no Chile como no Peru. (Com assessoria)

Mais notícias