Em reunião com parlamentares, Bolsonaro pede apoio aos policiais na Previdência

Presidente foi alvo de protestos de policiais essa semana, que o chamaram de traidor na Câmara Federal

Após ser chamado de traidor por policiais que protestaram em Brasília (DF) por não terem reivindicações atendidas na Reforma da Previdência, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) se reuniu com parlamentares e ministros nesta quinta-feira (4) e pediu apoio nesta questão. Neste momento, o projeto passa por votação na comissão especial.

O encontro aconteceu no Palácio do Planalto. Para justificar o pedido de apoio, Bolsonaro afirmou que os policiais “são pessoas aliadas nossas e também nunca tiveram privilégio no Brasil”. O texto do relator prevê aposentadoria com no mínimi 55 anos, 30 de contribuição e 25 na atividade, para ambos os sexos.

Além disso, é previsto pensão equivalente ao último salário. Policiais federais e policiais rodoviários federais pedem condições mais favoráveis. Hoje não há idade mínima, mas é necessário tempo de contribuição – 30 anos se homem, 25 se mulher – e na atividade – 20 e 15 anos, respectivamente.

Tramitação

Foi aprovado há pouco pela comissão especial da Reforma da Previdência o texto básico apresentado pelo relator do tema, deputado federal Samuel Moreira (PSDB-SP). Ainda não foram votados os destaques. Ao todo, 36 parlamentares deram votos favoráveis e 13 contrários ao texto, que segue as diretrizes da proposta original.

*com Agência Câmara

Mais notícias