Publicidade

Em reunião com Bolsonaro, Reinaldo só fala à tarde sobre operação da PF

Secretaria de Estado de Educação é alvo de buscas pela Polícia Federal

Enquanto a SED (Secretaria de Estado de Educação) é alvo, na manhã desta quarta-feira (8), de operação da Polícia Federal, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) está em Brasília em reunião com o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e parlamentares do Congresso Nacional.

O Jornal Midiamax entrou em contato com Subsecretaria de Comunicação do Governo, que afirmou que só irá se manifestar no período vespertino. A procuradora-geral do Estado, Fabíola Marquetti, acompanhou parte das buscas dos agentes na secretaria e disse que não tem detalhes sobre a operação.

“Ainda não temos nenhuma informação. A PF está fazendo o trabalho e temos interesse na boa apuração. Eles ainda estão lá dentro levantando os documentos, então não temos como adiantar nenhuma informação”, explicou a procuradora-geral.

Neste momento, os servidores estão impedidos de subirem ao piso superior da secretaria e aguardam as buscas do lado de fora do prédio.

De acordo com a Polícia Federal, que conta com apoio técnico da CGU (Controladoria Geral da União), a Operação Nota Zero objetiva desarticular organização criminosa especializada em fraudar licitações na construção e reforma de escolas estaduais no âmbito da Secretaria de Estado de Educação.

A investigação apura fraudes em contratos firmados pela SED e empresas de construção civil, bem como colhe maiores elementos de prova da prática de crimes de corrução passiva e ativa, peculato e organização criminosa, entre outros.

Servidores aguardam buscas do lado de fora da Secretaria de Educação. (Foto: Marcos Ermínio)

Segunda vez em 2019

Em fevereiro deste ano, a Controladoria-Geral da União, a Polícia Federal e o Ministério Público Estadual do Mato Grosso do Sul deflagraram a Operação Aprendiz, que apurou a aquisição superfaturada de cartilhas educativas pela Secretaria de Estado da Casa Civil, que foi extinta e integrada à Secretaria de Governo, entre os meses de junho de 2015 e agosto de 2016.

Na época, foram cumpridos 11 mandados de busca e apreensão expedidos pela 4ª Vara Criminal Residual de Campo Grande, em órgão público, empresas ligadas ao ramo gráfico e de publicidade, e residência, todos localizados em Campo Grande.

Entre os locais de busca estava a sede da Secretaria de Governo, localizada no mesmo prédio da Governadoria.

Mais notícias